Casos de dengue diminuíram mais de 80% no Acre, revela Sinan

Dados da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), obtidos por meio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), revelam que, em comparação com os números do ano passado, em 2022 o Acre registrou uma diminuição de 82% dos casos de dengue. Contudo, a gestão estadual recomenda que a população mantenha os cuidados, principalmente com a chegada das chuvas.

De acordo com a chefe da Divisão de Vigilância Ambiental da Sesacre, Márcia Andreia de Abreu, as ações de limpeza, mobilizações em escolas e nas comunidades, realizadas pelos municípios, contribuíram para a redução dos casos. “Durante todo o ano, atuamos no sentido de orientar, fiscalizar e conscientizar a população acerca dos riscos que o mosquito da dengue oferece à saúde”, disse.

Apesar da diminuição, o Estado registrou mais de seis mil notificações para casos de dengue, sendo 2.342 confirmados. Desses, três foram analisados como graves e dois vieram a óbito. Com isso, o Núcleo de Doenças de Transmissão Vetorial da Sesacre fortalece as ações preventivas contra a dengue, sobretudo no período sazonal para a doença.

“Entre os meses de outubro a maio, que é o período das chuvas, é esperado um aumento do número de casos. No entanto, se as ações de prevenção não forem executadas, a qualquer momento pode acontecer uma explosão dos casos, independentemente da estação do ano”, informou Erika Nunes, tecnóloga em gestão ambiental e supervisora das Ações de Controle e Combate ao Mosquito Aedes aegypti da Sesacre.

Medidas preventivas

Realizar a higienização de recipientes de água, evitar a acumulação de líquidos em ambientes abertos, acomodar adequadamente os depósitos domésticos para que não virem criadouros e descartar o lixo corretamente são algumas das medidas que o cidadão pode tomar para evitar a proliferação do mosquito da dengue e o aumento dos casos da doença.

[Agência de Notícias do Acre]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.