Delfino Junior uma história de respeito e contribuição social a todas modalidades de esporte no Acre

Sexta-feira dia 13 de maio, o atleta dirigente e sensei Delfino Júnior, presidente da FJEAC – Federação de Judô do Estado do Acre, filiada à CBJ – Confederação Brasileira de Judô, participou do governo do saudoso e inesquecível governador Edmundo Pinto, como Coordenador de Nucleo da fundação Cultural, foi secretário de esporte no governo de Orleir Cameli, e agraciado com o Certificado de Mérito Desportivo do Estado do Acre, ocupou cargo na Secretaria de Esporte no governo do Tião Viana, por mérito e não por filiação partidária, fundador de diversas entidades no estado e atualmente prestando consultorias e assessorias para entidades, defensor de projetos e causas e não de bandeiras ou cores partidárias, promoveu um grandioso evento cultural, de mudança de faixa, que contemplou 35 atletas na sede do Dojô Central, localizado na Rua Coronel Fontenelle de Castro, n. 223, Estação Experimental, a Associação de Judô Kodokan-Acre, entidade oficial eclética e estatutária, filiada a FJEAC, FJJEAC, FPEAC e FLBEAC.

O evento foi prestigiado pela comunidade, autoridades desportistas e pela imprensa do complexo de comunicação do Jornal e TV o Rio Branco, filiada da TV Cultura, o Diretor Márcio Nunes e o Jornalista Antônio Muniz, estiveram nesse evento cultural, como sempre, divulgando os eventos e notícias no nosso Estado.

Delfino Junior faz um resumo da história do Judô

O Presidente da Federação de Judô do Estado do Acre, Delfino Junior, fez uma rápida fala sobre o Judô e sua história, começando pelo mestre fundador: “Jigoro Kano – Ao longo de sua vida, Jigoro Kano alcançou o doutorado em Judô, uma graduação equivalente ao 12º Dan, honraria concedida apenas ao criador do esporte. Ele trabalhou constantemente para garantir o desenvolvimento do atletismo e do esporte japonês de uma maneira em geral e, como resultado de seus esforços, muitas vezes é chamado de “Pai dos Esportes Japoneses”. Em 1935, ele foi premiado com o prêmio Asahi por sua excepcional contribuição para a organização do esporte no Japão durante sua vida.

O mestre Jigoro Kano, idealizou um código moral baseado em oito princípios básicos, visando fortalecer o caráter filosófico da prática do judô e fazer com que os praticantes do judô crescessem como pessoas. Código Moral – 1. Cortesia, para ser educado no trato com os outros; 2. Coragem, para enfrentar as dificuldades com bravura; 3. Honestidade, para ser verdadeiro em seus pensamentos e ações; 4. Honra, para fazer o que é certo e se manter de acordo com seus princípios; 5. Modéstia, para não agir e pensar de maneira egoísta; 6. Respeito, para conviver harmoniosamente com os outros; 7. Autocontrole, para estar no comando das suas emoções; 8. Amizade, para ser um bom companheiro e amigo. Esporte olímpico – Prosseguindo com a organização da Kodokan e buscando aprovar os regulamentos do Judô, Mestre Kano tornou-se o primeiro membro asiático do Comitê Olímpico Internacional em 1909 e trabalhou para a propagação do esporte no mundo todo. O Judô passou a fazer parte do programa olímpico oficialmente nos Jogos de Tóquio em 1964. A introdução do Judô no Brasil – A imigração japonesa foi o fator mais importante para o surgimento do judô no Brasil. A influência exercida por lutadores profissionais representantes de diversas escolas de ju-jutsu japonês também contribuiu para o desenvolvimento do judô. O início do judô no Brasil ocorreu sem instituições organizadoras. Apenas na década de 1920 e início dos anos 1930 chegaram ao Brasil os imigrantes que conseguiram organizar as práticas do judô e kendô no país,” finalizou o Presidente Delfino Junior.

Delfino Junior prestigiou na composição da mesa os mestres que muito fizeram e fazem pela pratica do esporte no Acre e no Brasil

O cerimonial obedeceu a uma ritualística na composição da mesa, dando as devidas honras para Dona Irene Velasquez, esposa do saudoso árbitro Estadual Heriberto Eduardo, da FJEAC, foi pedido um minuto de silêncio em lembrança e reconhecimento pela importância, daquele que em vida muito contribuiu para enaltecer o esporte no Acre e no Brasil, faleceu em abril de 2021, com 59 anos pela Covid 19, natural de Cuba.

Na mesa o Pastor Lamarck Bezerra, árbitro estadual da FJEAC e um dos primeiros atletas de uma geração formada pelo sensei Delfino Júnior, ele que tem uma história de glórias como representante do Estado do Acre, em jogos e campeonatos no Brasil;

O mestre e sensei Ivanor de Oliveira, presidente da Associação Team de Jiu-Jitsu, Judô, boxe, seu filho  Ivanor Menezes disputou três mundiais de jiu-jitsu, evento realizado no Rio de Janeiro pela IBJJF – International Brasilian Jiu-Jitsu Federation, entre outros eventos;

O mestre sensei Antoniel Afonso, ex-dirigente da Associação Ryaku de Karatê, Judô e Jiu-Jitsu e Luta-de-Braço; O professor Afrânio Moura, ex-secretário municipal de esporte e lazer (SEMEL) de Rio Branco; o mestre sensei Adgeferson Muniz, presidente da Federação de Kung Fu do Estado do Acre, disputou diversos eventos nacionais e internacionais obtendo títulos importantes na carreira.

Homenagens foram feitas pela Federação de Judô do Estado do Acre e Dona Doca, mãe do Delfino foi o destaque da noite

Delfino Junior é um filho que cumpre bem um dos principais mandamentos da Lei de Deus, honrar pai e mãe, sua história registra o cumprimento desse mandamento, seu pai esta enfermo, ele e seus irmãos cuidam com dedicação de seu pai, sua mãe já tem mais de 70 anos, mais tem saúde e uma alegria especial dentro dela, uma alegria que contagia as pessoas que estão ao seu redor, ensinou as coisas importantes, não esqueceu dos abraços e não os negou nunca, demonstrou com atitudes quanto ama os seus filhos, ensinou a importância do respeito e recebeu do seu filho todo o reconhecimento, o ponto alto e emocionante da noite, ficou na homenagem a Dona Doca, mãe do sansei Delfino Junior, ele fez um relato das dificuldades que atravessou na sua história de atleta e reconheceu que seu sucesso, devesse ao apoio moral e financeiro que sua mãe lhe proporcionou, acreditando e contribuindo sempre, “nas horas mais difíceis da vida, quem sempre esteve do meu lado foi minha mãe, sou grato a Deus, por ter me dado minha mãe, para guiar os meus passos no caminho do bem, acreditando e ajudando na caminhada” disse Delfino Junior emocionado.

Delfino Junior agradeceu a presença de todos

Agradeceu a presença de todos e fez um registro especial ao atleta e árbitro de judô, Anderson de Morais, natural de João Pessoa – PB, disse que o convite já fica registrado para um retorno em outra oportunidade, a presença do Coronel da Polícia Militar (PM/AC), Ricardo Brandão, do Major Saturnino e Sargento da (PM/AC), Luiz Gonzaga, os quais tem filhos que treinam no referido dojô, as mães e pais e familiares dos atletas presentes nesse evento.

O exame de graduação contou com instruções de 5 séries de técnicas de projeções Gokyu – Técnicas de arremessos, além do Renraku-Henka-Waza – Técnicas de sequência de golpes, Kaeshi- Waza – Técnica de contra golpes, Ossae-Waza – Técnica de imobilizações, Shime-Waza – Técnica de estrangulamentos e Kansetsu-waza – Técnica de articuçações. Conforme os procedimentos dos treinos realizados antes do exame, foi passado conhecimento de arbitragem de luta (Shiai), organização de eventos e outros fundamentos relacionados ao judô e ao jiu-jitsu. Aprovados no exame:

Getúlio Dornelas Modanezi Filho, de faixa roxa 2º kyu para faixa marrom 1º kyu; Bruno Brandão de Souza, de faixa roxa 1º kyu para faixa marrom 1 kyu; João Rodolfo, de faixa verde 3º kyu para faixa roxa 2º kyu; Nicolas Maciel dos Santos, de faixa verde 3º kyu para faixa roxa 2º kyu; Getúlio Dornelas Modanezi Neto, de faixa laranja 4º kyu para faixa verde 3º kyu; Wallace Smerdel Lima, de faixa amarela 5º kyu para faixa laranja 4º kyu; John Rojas, de faixa amarela 5º kyu para faixa laranja 4º kyu; Matheus Magalhães da Mota, de faixa amarela 5º kyu para faixa laranja 4º kyu; Mistersan, de faixa azul 6º kyu para faixa amarela 5º kyu; Carolina Raquel Smerdel Lima, de faixa azul 6º kyu para faixa amarela 5º kyu; Martha Magalhães Mota, de faixa azul 6º kyu para faixa amarela 5º kyu; Marina Neri Modanezi, de faixa amarela 5º kyu para faixa laranja 4º kyu; Pietra Guimarães da Cunha, de faixa cinza 7º kyu para faixa azul 6º kyu; Rafaela Modanezi, de faixa cinza para faixa 7º kyu para faixa azul 6º kyu.

Neste encontro judoístico, a participação de faixas brancas que receberam bons elogios pela dedicação aos treinamentos, e incentivo de graus: Herick Hipólito, Gleicivan, João, Pedro, Matteo, Caio Sampaio, Felipe, Kemilly, Beatriz Macie, Jonathan Gruhn, Felipe Gomes, Humberto Baltar e Erica.

Deixou registrado que o atleta Augusto Sampaio dos Santos, praticante de jiu-jisu e atleta nosso foi promovido de faixa azul de jiu-jitsu para faixa roxa de jiu-jitsu, mérito alcançado pelos esforços e pela disciplina dos treinos, atualmente vem se dedicando aos treinamento do judô para se fortalecer cada vez mais. Ao finalizar suas palavras o sensei Delfino Júnior, agradeceu a presença da imprensa, parabenizou o jornalista Antônio Muniz da TV Rio Branco, canal 8 (SBT) e também, o Diretor Márcio Nunes, da mesma emissora, José Aleksandro, Provedor e Presidente da Santa Casa de Misericórdia, o qual não mediu esforços para contribuir para o êxito do evento. Após as outorgas de faixas etc., todos comemoram e confraternizaram uma boa festa esportiva, e nada melhor do que está com todos, pois reforça o senso de renovação, coletivismo e amizade. Fechando a oratória o sensei Delfino Júnior falou também da importância da Confederação Brasileira de Judô – CBJ, no contexto representativo da modalidade… Concluindo, agradeceu os esforços e a colaboração de todos para engrandecer o evento.

[Reprodução do site Vejaacre.com]

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.