Câmara de Rio Branco deve instalar CPI dos transportes nesta terça-feira

Da Redação

A mesa diretora da Câmara de Rio Banco deve instalar nesta terça-feira, 14, a Comissão Parlamentar de Inquérito que vai investigar denúncias de irregularidades nas empresas que operam o Sistema de Transporte Coletivo da capital acreana. "Estávamos esperando que os partidos indicassem seus representantes na comissão. Isso já aconteceu”, afirmou o presidente da Casa, vereador Nogueira Lima (PP). O pedido de abertura da CPI foi protocolado e apresentado pela vice-presidente da Câmara de Rio Banco, vereadora e médica Michele Melo (PDT). Na sessão ordinária do dia 24 de agosto, com apoio de doze dos 17 vereadores, a CPI foi aprovada.

A comisso o será composta pelos vereadores:  Adailton Cruz (PSB); Emerson Jarude (MDB), Fábio Araújo (PDT); Lene Petecão (PSD), Samir Bestene (PP) e a autora do pedido que resutou na criação da CPI, Michelle Melo (PDT). Após a definição do presidente, vice-presidente e relator, a comissão começa a formalizar as oitivas, ouvir os empresários, analisar os contratos e inicia as investigações. Além de Michelle, os partidos indicaram também:

A CPI deve apurar várias questões que envolve o transporte público na capital acreana, entre os quais razões das elevadas tarifas e os custos dos transportes coletivos urbanos; condução do contrato de concessão com as atuais empresas prestadoras do serviço; legalidade e eficácia dos atos de definições tarifárias. A comissão investigará ainda os subsídios públicos (tributos e tarifários) às empresas detentoras da respectiva concessão; diminuição da Frota de ônibus sem explicações concretas, causando prejuízos aos usuários; endividamento trabalhista junto aos colaboradores das empresas prestadoras. A tarifa atual é de R$ 4,00.

Crise no setor

A crise no transporte público em Rio Branco se arrasta desde 2020. Assim que assumiu, Bocalom afirmou que não iria repassar nenhum valor extra para as empresas de ônibus que atuam na capital e que elas deveriam arcar com os prejuízos que tiveram durante a pandemia. O posicionamento do prefeito se deu porque a gestão anterior, de Socorro Neri, chegou a cogitar o pagamento de um aporte financeiro de R$ 2,5 milhões para essas empresas. Após essa decisão de Bocalom, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do Acre (Sindcol) chegou a entrar com uma ação para tentar receber o valor, mas não obteve êxito na Justiça. Motoristas e outros funcionários das empresas de ônibus fizeram protestos, em meio à crise, paralisaram atividades e a população precisou buscar outras alternativas para o transporte. No entanto, após várias manifestações, os trabalhos da categoria foram retomados.

Desativação

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (RBTrans) desativou, esse ano, temporariamente três dos cinco terminais de integração de Rio Branco: São Francisco, Adalberto Senna e Cidade do Povo. A medida foi tomada justamente devido à redução no número de passageiros e para reduzir o tempo de espera dos usuários, que estava, em média, de duas horas e meia para sair dos bairros e chegar no Centro da capital. A justificativa é do superintendente do órgão, Anízio Alcântara.

Segundo ele, a ideia é criar terminais temporais, que é o que há de moderno. Esses terminais físicos, que se constrói, o Brasil parou de trabalhar com isso há 20 anos. “Vamos precisar de mais de 15, para se ter uma ideia e todos serão feitos eletronicamente”, explicou.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.