Governo amplia sistema de distribuição de água em Acrelândia

Uma das características do período de estiagem é a escassez de chuvas nos meses de julho a setembro, provocando a redução do nível de rios e mananciais e, como consequência, a dificuldade de captar água para tratamento.

O enfrentamento desta situação transcorre desde o uso racional do recurso natural por parte dos consumidores, como a implantação de uma política de modernização das estruturas de captação, tratamento e distribuição de água, aplicado pelas instituições de saneamento.

Na cidade de Acrelândia, distante 113 quilômetros da capital Rio Branco, com mais de 14 mil habitantes, o governo do Acre, por meio do Departamento Estadual Pavimentação e Saneamento (Depasa) adota medidas para enfrentar as adversidades recorrentes do tempo de seca.

Nesta semana, foram intensificadas as frentes de serviços para a instalação da nova Estação de Tratamento de Água (ETA) na central de abastecimento do município.

 “Os equipamentos e demais estruturas desta nova ETA, vieram do estado de Santa Catarina, via terrestre. O processo de montagem e adequação os maquinários seguem num bom ritmo. A estimativa é que toda composição deva ficar pronta nos próximos quinze dias”, relata o gerente do Depasa em Acrelândia, Jander Mendonça.

O projeto também contempla a instalação de uma nova adutora, além dos serviços de escavações para ampliação do reservatório da ETA e demais estruturas de captação.

“O aprofundamento do leito do açude de onde captamos água, ganhará mais volume, pois saltará de 2,8 para 5 metros, onde poderemos garantir abastecimento o dia inteiro, todos os dias, de inverno a verão”, destaca o diretor presidente do Depasa, Edvaldo Magalhães.

Com a conclusão destas intervenções que alcançam os investimentos de R$ 4 milhões, promovidas pela gestão estadual em parceria com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), a rede de abastecimento de Acrelândia aumentará a sua oferta de 30 para 45 litros por segundo.

“O comprometimento do governador Tião Viana possibilita diversas ações que beneficiem toda a comunidade, como exemplo em 2011, a cidade tinha apenas 480 ligações. Hoje, com o programa Ruas do Povo, saltamos para mais de duas mil ligações domiciliares e mais 25 quilômetros de rede de água” ressalva Magalhães.

Uma das comunidades contempladas com estes serviços de infraestrutura, além de redes de drenagem e pavimentação, foi o bairro Portelinha. Nesta localidade mora a vendedora Débora Lopes, que fala de sua expectativa perante os novos investimentos do governo do Estado.

“Mesmo morando numa região alta da cidade, recebemos água tratada em nossas casas, e agora com esses benefícios a nossa vida aqui vai melhor bastante. Vamos receber mais água e teremos que ter mais o cuidado de não desperdiçá-la. Não queremos reviver aquele sufoco do ano passado”, disse Lopes.

Histórico da estiagem

O período citado por Débora Lopes se refere a setembro de 2016, quando Acrelândia vivenciou uma grave seca, ocasionando uma redução drástica no nível do açude que abastece a comunidade.

Em alguns pontos o volume de água ficou menor que 20 centímetros e evitar que a cidade ficasse desabastecida, o Depasa utilizou água de um açude particular, que fica ao lado da captação da ETA e recebeu o auxílio da Defesa Civil Nacional para distribuir água tratada em carros pipas para comunidades, como exemplo o bairro Portelinha.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.