Em Acrelândia, Promotora investiga suposta prática sexual entre alunos dentro de escola rural

Por Wanglézio Braga/ Foto: Reprodução

A promotora do Ministério Público do Acre (MPAC), Bianca de Moraes, informou por meio de uma portaria publicada do Diário Eletrônico do MP N° 956 que vai continuar as investigações sobre a possível prática sexual entre dois alunos matriculados na Escola Familiar Agrícola Jean Pierri Migan, localizada em Acrelândia.

Apesar de que os alunos foram suspensos e expulsos da escola seguindo uma orientação do Regimento Interno, o caso vai continuar sendo investigado pelo órgão ministerial. A escola funciona em regime parcial de internato, onde os alunos vivem alojados por 15 dias na unidade para estudar e depois retornam para casa.

O processo foi instaurado em 2019 após denúncia, mais como o prazo para as investigações iniciais extrapolou e devido à pandemia houve suspensão das atividades no MPE, a nova promotora resolveu transformar de Notícia de Fato em Procedimento Preparatório. Moraes considerou inúmeros artigos da Constituição para embasar os trabalhos.

A promotora nomeou ainda uma equipe para auxiliar nas investigações do caso e expediu convite aos envolvidos da possível prática sexual. A direção da escola também foi chamada e teve um prazo para se explicar. Segundo a promotoria, a delegacia de Polícia também foi acionada para apurar possível ocorrência de infração penal.