Deputado petista pede que MPF investigue lentidão da vacinação no Acre

Deputado petista pede que MPF investigue lentidão da vacinação no Acre

Antonio Muniz

Em entrevista ao jornalista Antonio Muniz, no programa RB Notícias, nesta quarta-feira, 07, ao vivo, na TV Rio Branco-SBT, o deputado federal Léo de Brito (PT-AC) destacou Representação por ele protocolada na terça-feira,06, junto ao Ministério Púbico Federal (MPF), pedindo a instauração de inquérito civil para apurar possível ato de improbidade administrativa e a responsabilização do governador do Acre Gladson Cameli e de prefeitos pela lentidão na vacinação, omissão e dano coletivo à saúde dos acreanos.

Segundo o deputado petista, o objetivo é obrigar o Governo do Estado e municípios do Acre a acelerar o processo de distribuição e aplicação das vacinas para população seja imunizada urgentemente até o esgotamento dos lotes de imunizantes que atualmente totalizam o número de 163.540 doses. “Não podemos perder tempo nessa luta para salvarmos vidas”, explicou.

Segundo o deputado, pelas informações disponíveis no Portal de Transparência, o Acre recebeu 132.520 vacinas contra a Covid-19, e até esta segunda-feira (5), foram aplicadas 62.125 doses, sendo 49.729 referentes à primeira dose e 12.396 da segunda dose. Segundo o deputado petita, Rio Branco, aplicou 26.922 doses e Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do Acre, 8.556 doses. O Acre é o estado com menor percentual de vacinação contra a Covid-19 do país, tendo vacinado 5,56% da população.

O deputado acreano questiona onde está o estoque de 101.415 mil doses de vacina que ainda não foram aplicadas na população.  Léo de Brito quer saber por quais motivos todas essas doses ainda não foram distribuídas e aplicadas na população, e o que está faltando para o Governo do Acre e as Prefeituras para levarem a vacinação a sério.

 “A saúde do Acre está em colapso, com fila de espera para UTIs e pacientes sendo transferidos para outros estados, a situação é muito grave, as contaminações só aumentam, assim como as mortes e o que vemos é a vacinação acontecendo de forma muito lenta, não é falta de vacina, mas incompetência, estão brincando com a vida humana”, afirmou o deputado.

 “A população do Acre é a maior prejudicada com o descaso e a incompetência administrativa do governador Gladson Cameli e dos prefeitos, isso precisa ser investigado e os culpados responsabilizados, por isso estou pedindo ao MPF a instauração de inquérito civil para apurar os atos de improbidade administrativa dos gestores e a consequente ação civil pública”, afirma o parlamentar. 

CORTANDO NA PRÓPRIA CARNE

O deputado também destacou Projeto de Resolução de sua autoria pedindo a extinção do reembolso das despesas médicas e auxílio alimentação para parlamentares. Ele deixou bem claro que é contra a decisão do presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira (PP-AL) de aumentar em 170% o limite de reembolso de despesas médicas de deputados na rede privada, que passou de R$ 50 mil para R$ 135,4 mil. 

“Sou contra esse e outros benefícios destinados aos parlamentares, sobretudo nesse momento difícil em que estamos vivendo. Espero que o presidente da Câmara volte atrás com essa situação”, disse o parlamentar acreano. Léo lembrou que o salário pago aos deputados pé suficiente para pagar plano de saúde e garantir atendimento médico e a compra de alimentos, evitando onerar, ainda mais os cofres públicos.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.