Colunistas

Ridículo

              Ridículo

O debate patrocinado pela TV-Acre  entre os candidatos ao governo do nosso Estado resultou num simulacro.

De antemão, parabéns à TV-Acre e à TV-Globo pela exemplar organização e pela impecável condução do debate entre os nossos candidatos ao governo. Aliás, tem sido sempre assim, enfim, em se tratando de debates entre candidatos, todos os que promovem, tem servido como escola para o nosso jornalismo político. Portanto, aos promotores do debate, nota 10.

A propósito, na última quarta-feira o Brasil parou para assisti-los, enfim, em todas as unidades de nossa federação, juntamente com suas emissoras afiliadas, a TV-Globo promoveu 27 debates com seus candidatos a governador. Diga-se mais: tais debates já entraram para nossa história político/eleitoral, como aqueles que alcançam os maiores índices de audiência.

Aqui no Acre, quando esperávamos assistir um debate de bom nível, os candidatos Márcio Bittar e Tião Bocalom patrocinaram uma pantomima, enfim, ao invés de aproveitarem tão importante oportunidade para apresentação de propostas, ao temerem o que teimosamente as pesquisas vêm anunciando, ou seja, a reeleição do governador Tião Viana já no primeiro turno, os dois resolveram, num visível jogo de cartas marcadas, embora se odeiem mutuamente, se abraçar, a exemplo do que costumam fazer os afogados em apuros. Em síntese: o que assistimos, bem que poderíamos chamar de “o abraço dos afogados”.   

Incapazes de questionar o governador Tião Viana, aquele que deveria ser o alvo preferencial de seus questionamentos, no que dependeu dos dois, o que assistimos, foi o candidato Márcio Bittar fazer duras críticas à gestão Tião Viana, e sempre que as regras do debate permitissem, as dirigia para serem  respondidas pelo candidato Tião Bocalom. E vice-versa.

Ora, se ambos se dizem preparados para governar o nosso Estado e em suas campanhas eleitorais a gestão do governador Tião Viana tem sido impiedosamente combatida, por que não, até mesmo em respeito ao legítimo direito de defesa que é conferido a todo e qualquer acusado, suas críticas e questionamentos não foram dirigidas ao próprio candidato Tião Viana? Foi por medo ou por covardia que assim se comportaram?

 Pegou muito mal para eles, o fato de terem transformado um debate que muito se prestaria para esclarecer nossos eleitores e transformá-lo num espetáculo de muito mau gosto. Por que as perguntas sobre educação, saúde e segurança pública, o tripé de um Estado moderno não foram endereçadas ao próprio candidato Tião Viana?

O debate, penso eu, e por certo, a maioria dos eleitores acreanos, tinha outro objetivo, não aquele que os candidatos Márcio Bittar e Tião Bocalom, de certo modo, impuseram. 

 

Artigos Publicados

Infidelidade inaceitável.

Narrativa

Nele não votarei

Política

Política e religião