Colunistas

Que bom!

 

Que bom!                                    

O governador Tião Viana tem dado especial atenção à geração de emprego e renda.    

A economia acreana viveu, e por um tempo bastante elástico, predominantemente, dependente da chamada economia do contracheque, e também, das transferências decorrentes dos programas sociais, notadamente, aqueles patrocinados pelo governo federal. Éramos sim, uma economia tipicamente chapa branca, diga-se passagem, um modelo absolutamente inviável.       

Como a economia do contracheque já estava emitindo claros sinais de fadiga, se nada fosse feito, certamente, a nossa sociedade iria mergulhar na pior de todas as desgraças sociais, ou seja, na mais impiedosa onda de desemprego.

Todavia, antes que a tal desgraça se estabelecesse e passasse a produzir seus naturais e desastrosos resultados, o governador Tião Viana não só apostou como passou a incentivar a iniciativa privada, e dentro das possibilidades legais, passou a oferecer todas as vantagens aos empresários que topassem o desafio de empreender do nosso Estado.

Desta feita, se ainda não podemos assegurar que, em sua saga, o governador Tião Viana já pode se considerar um vitorioso, alguns dos seus projetos apontam nesta direção, e de forma bastante afirmativa, afinal de contas, milhares de famílias acreanas, presentemente, já estão vivendo, e muitíssimas satisfeitas, em algumas das atividades produtivas derivadas do seu governo.

Recentemente, e por mais uma vez, estive na região do Alto Rio Acre, e lá cheguei não como um simples visitante, e sim, como alguém que buscava avaliar o sucesso ou o insucesso de alguns programas que levam a marca da gestão Tião Viana.

Confesso que me surpreendi com o que vi. Vi o que qualquer pessoa, com a devida e necessária isenção também veria, ou seja, que a avicultura, a suinocultura e a piscicultura, no seu conjunto ou isoladamente, constituíam-se em verdadeiras rodas do nosso desenvolvimento econômico, e também social, desde que postas em movimento. Moral da história: ao invés de querer reinventar a roda, o que seria uma baita estultice, simplesmente o governador Tião Viana pegou-as e as pôs para rodar.

Quem verdadeiramente se preocupa com as próximas gerações, os governantes, particularmente, não podem incentivar o emprego público enquanto gerador de empregos e rendas, enfim, os Estados que assim procederam produziram os piores resultados.

Exemplos de tais projetos, e em abundância, todos já em fase de produção, nas cidades do Vale do Rio Acre. 

Artigos Publicados

Horizontes sombrios

Integrar para não entregar

Aliança feita

Urge reformá-la

Petrobrás