Colunistas

Mesmo com menos “blitzen”, governo reduz índice de acidentes no trânsito

Dados Departamento Estadual de Trânsito do Acre (Detran-AC), divulgados nesta sexta-feira, 26, apontando que em meio a pandemia de Covid-19, ao longo de 2020, houve queda de acidentes de trânsito no Acre. O levantamento da Engenharia de Trânsito no ano passado mostra que o número de acidentes registrados em todo o estado foi 20,20% menor, se comparado ao ano de 2019.

Todos lembram que o governador determinou o fim dos pardais, os equipamentos discretos de fiscalização eletrônicas que foram instalados, no governos petistas, em pontos fixos e estratégicos das ruas e avenidas de Rio Branco. Também diminuiu bastante o número de “blitzen” que, de tão banais, relâmpagos e sorrateiras mais pareciam tocais.

Ainda segundo o relatório do Detran, foram registrados 3.744 acidentes ao longo de 2020. São 948 acidentes a menos que no ano anterior. Em apenas três meses, janeiro, fevereiro e dezembro, o número de ocorrências no trânsito foi maior que em 2020. Nos outros 9 meses do ano, houve redução.

O número de vítimas fatais cresceu em 2020, contabilizando duas mortes a mais que no ano anterior. No entanto, em razão do aumento da frota de veículos, o índice de vítimas fatais para cada dez mil veículos diminuiu 1,255% se comparado ao ano de 2019.

Rio Branco, capital do Acre, é quem contabiliza o maior número de acidentes de trânsito. O registro de acidentes também diminuiu. Em 2019 foram registrados 3.576 acidentes. Já no ano passado, este número caiu para 2.674, uma redução de 25,22%.

Apelando

Praticamente “quebrado” e sem perspectivas, o marqueteiro David Sento-Sé, sócio proprietário da Cia de Selva, resolver apelar para o chamado ou tudo ou nada. Tanto é que, na noite desta quinta-feira, 25, para mostrar uma conversa via WhatsApp que teve com o ex-deputado Nelson Sales que não pagou as dívidas da sua última campanha eleitoral, em 2018.

Luz e mercado

Nelson foi candidato a deputado federal pelo PP, mas obteve sucesso. David mostrou uma conversa no início de 2019, na qual Nelson reconhece a dívida e pede um parcelamento, que foi aceito pelo marqueteiro ao implorar que o ex-deputado não o deixasse na mão. “Preciso de algo em março para luz e supermercado amigo ou até 5 de abril”, diz Sento Sé.

Proposta

O ex-deputado respondeu que iria disponibilizar R$ 5 mil ao marqueteiro e que logo em seguida iria pagar os R$ 45 mil parcelados em três vezes. David aceita a proposta de parcelamento. “Ok amigo. Por favor, não fure pq vou tomar emprestado para pagar minhas contas contando com você”, diz o marqueteiro que é respondido com um emoji de concordância pelo ex-deputado.

Outra cobrança

Não é primeira vez que David Sento Sé usa as redes sociais para tentar receber valores contratados mediante a prestação de serviço em campanha eleitorais. Ano passado, ele fez o mesmo procedimento para cobrar valores não pagos pelo PT na campanha fracassada de Marcus Alexandre ao governo. Mas ao que parece, s dívida foi saudada, uma vez que ele voltou a prestar serviços ao partido na campanha de 2020.

Bons tempos

David Sento Sé e seu amigo e sócio Gilberto Braga chegaram ao Acre em junho de 1994, vindos de Salvador (BA), contratados pelos coordenadores da campanha vitoriosa de Orleir Cameli, que havia renunciado ao mandato de prefeito de Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do Acre, para ser candidato ao governo pelo PPR, hoje PP. Cameli virou governador e os marqueteiros nunca mais voltaram.

Farra continuada

Em 1998, pressionado pelos órgãos de fiscalização, á época todos alinhados à esquerda, o governador Orleir Cameli optou por não ser candidato à reeleição. Discretamente, apoiou a candidatura de Jorge Viana (PT). Não por acaso, os marqueteiros e Orleir assumiram a campanha da Frente Popular e saíram vitoriosos.

Vinte e quatro anos de festa

De 1994 a 2018, David Sento Sé e seu amigo e sócio Gilberto Braga desfrutaram a melhor fase de suas vidas. A empresa Companhia de Selva foi a responsável pelo marketing da gestão petista, tanto no governo, quanto na prefeitura. Na verdade, no caso da prefeitura de Rio Branco, até o fim do ano passado, eles ditavam as normas. A farra de 24 anos eles sabem que nunca mais terão.

Vida sem graça

Ana passado, ao ser entrevistado em programa de TV, em Rio Branco, David afirmou o seguinte: “A vida está meio sem graça. Nação tenho mais ânimo para nada”. Para quem nadava em dinheiro e, de uma hora para outra, prede tudo, a vida realmente perde a graça.

Fim anunciado

Na verdade, o fim da farra da Companhia de Selva foi anunciado no último dia de campanha de Gladson Cameli, em outubro de 2018. O então senador, que três dias depois se tornaria governador, proferiu a seguinte frase: “A farra dos marqueteiros do PT está com os dias contados”. Claro e evidente que Cameli foi aplaudido, ou melhor, ovacionado por mais de cinco mil militantes que clamavam por mudança.

Sem entrar no mérito

Sem entrar no mérito da demissão de um colega jornalista demitido há dois dias por causar constrangimento ao Presidente Jair Bolsonaro, digo apenas que o mesmo por ser lulista, petita e dilmista assumido, nem deveria ter sido nomeado para um cargo estratégico de uma gestão assumidamente conservadora. O erro não é dele, mas sim de quem o indicou ou nomeou.

Ideologia

A cada dia que passa percebo que meu conceito de ideologia é bem diferente da maioria. Rejeitei convite para assumir cargo em gestões de ideologia diferente da minha, justamente por entender que um péssimo negócio para ambas as partes, mas vejo dezenas de colegas esquerdistas ocupando cargos importantes em governos, assumidamente, de direita.  O que começa errado, não pode terminar certo.

Artigos Publicados