Colunistas

O saldo positivo da vinda de Bolsonaro ao Acre

Presidente Jair Bolsonaro, acompanhou nesta quarta-feira, 24, a crise no Acre. Além da cheia dos rios, o enfrentamos o agravamento nos casos de Covid-19, com sobrecarga na rede pública hospitalar, surto de dengue e conflito migratório na tríplice fronteira do Brasil com o Peru e Bolívia, em Aassis Brasil, na Vale do Alto Acre.

Acompanhado do governador Gladson Cameli (PP), dos senadores Marcio Bittar (MDB), Sérgio Petecão (PSD) e Mailza Gomes (PP), e do deputado federal Alan Rick, o presidente fez um sobrevoo em áreas alagadas de Rio Branco e Sena Madureira, duas das dez cidades afetadas pelo transbordamento dos rios. Os ministros da Defesa, Fernando Azevedo; da Cidadania, Onyx Lorenzoni; o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos; e outras autoridades também integraram a comitiva presidencial.

Com mais de 30 mil pessoas afetadas, o Acre enfrenta uma das maiores enchentes da história. O governo decretou estado de calamidade na última segunda-feira, 22. Durante entrevista coletiva à imprensa, o presidente e sua equipe de ministros fizeram o anúncio de várias medidas para socorrer a população e amenizar os prejuízos materiais causados pela subida das águas.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, confirmou o envio de recursos emergenciais para as cidades afetadas pelas enchentes dos rios. O auxílio financeiro estará disponível na próxima sexta-feira, 26. Ao todo, serão destinados R$ 17,1 milhões nesta primeira etapa. Desse montante, o governo estadual receberá apenas R$ 1,4 milhão. Os recursos serão distribuídos de acordo com a proporcionalidade da enchente.

Por isso, Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade acreana, receberá R$ 4,7 milhões; Santa Rosa do Purus foi contemplada com R$ 590 mil; Sena Madureira contará com R$ 2,9 milhões; R$ 793 mil são para Feijó; Tarauacá receberá R$ 2,1 milhões; Mâncio Lima terá disponível R$ 965 mil; R$ 550 mil são para Rodrigues Alves; e Rio Branco contará com R$ 3,2 milhões.

“O presidente determinou que fizéssemos esforços para conseguir recursos emergenciais para atender de forma humanitária o Acre. Logo em seguida, estaremos disponibilizando recursos para reconstrução da infraestrutura que estiver danificada”, declarou Rogério Marinho.

Mais vacina

A visita presidencial também foi marcada pela chegada de 21,9 mil vacinas ao estado. Neste novo lote, o Acre recebeu 10% das doses do Fundo Estratégico para a região Norte, ampliando a imunização para o grupo de pessoas com idade entre 70 e 84 anos.

Prioridades

Das 29 mil doses de vacinas, 13,5 mil da AstraZeneca/Oxford e 8,4 mil são do Instituto Butantan. Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, municípios afetados pelas inundações terão prioridade na distribuição das doses. “Essas doses cumprem com o nosso Plano Nacional de Imunização (PNI), seguindo as fases e grupos prioritários. Vamos tentar priorizar as áreas mais atingidas”, explicou.

Liberação do FGTS

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou o pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para os trabalhadores que residem nos municípios em estado de calamidade pública. “O valor que será liberado vai até R$ 6.220,00. Todas as agências da Caixa estão à disposição para ajudar a população do Acre”, observou.

Suspensão por ano

Guimarães também confirmou a suspensão temporária de até um ano no pagamento das principais linhas de crédito fornecidas pelo banco estatal aos clientes que moram nessas cidades. “Essa pausa valerá tanto para pessoa física quanto para jurídica”, frisou.

Carta de apoio

O governador Gladson Cameli entregou ao presidente Jair Bolsonaro a carta de apoio e solidariedade ao Acre. No documento, o gestor citou as adversidades que o estado vem enfrentando e solicitou ajuda da União para que a crise seja superada.

Urgência

Cameli pediu prioridade no envio de vacinas ao Acre. Localizado em região de fronteira e na divisa com Amazonas e Rondônia, estados onde a rede pública hospitalar colapsou, Gladson solicitou urgência na imunização em massa da população acreana.

Atenção especial

“A presença do presidente Bolsonaro aqui no Acre é muito importante, porque ele viu de perto a difícil situação que estamos passando. Eu espero que, diante de tudo isso, o governo se sensibilize ainda mais com os nossos pedidos e nos ajude a vacinar o povo. O Acre precisa dessa atenção especial e continuarei trabalhando, junto com a nossa bancada federal, em prol da população”, pontuou.

Fim da dependência

Outra solicitação feita por Gladson Cameli diz respeito à conclusão da ponte sobre o Rio Madeira, que conectará, em definitivo, o Acre com a malha rodoviária nacional. A estrutura colocará fim à dependência da travessia de veículos em balsas na região e contribuirá para a melhoria da logística na região.

Inauguração

Quanto a esse assunto, o presidente Jair Bolsonaro confirmou a inauguração da ponte para o mês de março. “Se Deus quiser, no próximo dia 18 de março, estarei retornando para inaugurarmos a ponte do Rio Madeira”, afirmou o Presidente.

Agradecimento

 “Desde o primeiro momento que apresentamos a situação, o presidente Jair Bolsonaro procurou nos ajudar da melhor forma possível. Por isso, quero agradecer o empenho do presidente por ajudar o Acre neste momento tão difícil que estamos enfrentando”, Marcio Bittar, senador da República.

Gratidão

“A nossa palavra é gratidão. O presidente pôde sentir a realidade que estamos enfrentando ao sobrevoar Sena Madureira. Quero agradecer também a nossa bancada federal, que não tem medido esforços em ajudar o estado”, Sérgio Petecão, senador da República.

Ajuda na hora certa

“Gostaria de agradecer ao presidente Jair Bolsonaro por ter vindo ao Acre ver de perto a nossa situação. Precisamos muito da ajuda do governo federal para amenizar o sofrimento das famílias que perderam bens, plantações e criações. Neste momento, precisamos estar todos juntos em prol da nossa população”, Mailza Gomes, senadora da República.

União

“A palavra é gratidão para tudo que o presidente Bolsonaro tem feito pelo Acre e o Brasil. O governo federal, o governo do Acre e a bancada federal estão unidos a favor de um dos momentos mais difíceis que estamos vivenciando nos últimos anos”, Alan Rick, deputado federal.

Prefeito agradecido

“Queremos agradecer imensamente a ajuda que o governo federal está preparando para Rio Branco, diante do problema enfrentado no Estado do Acre. Em nome dos nossos prefeitos, especialmente dos municípios atingidos, agradecemos o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros”, Tião Bocalom, prefeito de Rio Branco.

Dissidência

Secretária de Empreendedorismo e Turismo, jornalista Eliane Sinhasique discorda de algumas decisões tomadas pelo Comitê de Apanhamento da Covid-19. Em entrevista a este colunista no programa RB Notícias, nesta quarta-feira, 24, ao vivo, na TV Rio Branco-SBT, Eliane afirmou que é contra o fechamento do comercio.

Artigos Publicados