Colunistas

Aleac: uma semana sem sessão e atraso de salário

Uma semana após a Operação Acúleo da Polícia federal, que apreendeu R$ 120 mil na residência do presidente da Aleac, deputado Nicolau Junior (PP), o Poder Legislativo Estadual causa frustrações aos seus servidores e assessores parlamentares e atraso o pagamento de setembro que deveria ter sido feito nesta sexta-feira, 18. Ninguém da mesa diretora ou do Departamento Financeiro explicou os motivos do atraso. 

Esta semana começou e terminou sem a realização de sessão. Alguns deputados tentaram justificar a ausência afirmando que estavam no interior prestigiando as convenções de seus respectivos partidos. Mas as últimas convenções foram realizadas na segunda-feira. Algumas realizadas na terça-feira, foram pela noite e não no horário das sessões. Além disso, as sessões são online, ou seja, o deputado pode participar de qualquer cidade.

Definitivamente, a Aleac não vive bom momento. Há três semanas, os deputados rejeitaram o nome da auditora do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Maria de Jesus para ocupar a vaga deixada pelo conselheiro José Augusto é a parada será decidida pelo Tribunal de Justiça. Há um semana, a Aleac foi alvo de operação da Polícia Federal. Pra completar, o inferno astral, um grupo de advogados estaria a preparar ação judicial pedindo anulação da eleição realizada mês passado de forma antecipada, uma vez que o mandato da atual mesa terminar somente em janeiro de 2021.

Um ano

Primeira-dama do Estado, Ana Paula Cameli, usou as redes sociais para registar o primeiro aniversário da Patrulha Maria da Penha, ocorrido na quarta-feira, 16. Segundo Ana Paulo, trata-se de um trabalho que tem excelentes frutos. E nesta quarta-feira, 16, foi realizada na sala do Comando-Geral da Polícia Militar, a solenidade de aniversário do primeiro ano da patrulha.

Reconhecimento

“Muito me orgulho da Patrulha Maria da Penha pelo trabalho desenvolvido. Parabenizo toda a equipe por este primeiro ano de excelentes resultados. Acredito que em breve veremos outras mulheres tendo a coragem de denunciar e sair desse ciclo de violência”, afirmou Ana Paula, ao reconhecer a importância da Patrulha Maria da Penha nas ações de prevenção e combate à violência contra a mulher.

Não vai mexer

Governador Gladson Cameli (PP) afirma que não pretende mais mexer nos cargos indicados pelos partidos que compõem sua base de sustentação política na Aleac. Mas voltou a falar em uma nova reforma administrativa.  Se vai fazer uma nova reformar, cabeças vão rolar.  Na verdade, o governador quer purificar sua equipe para saber ao certo com quem pode contar e em quem deve confiar.

De olho em 2022

Nas entrevistas aos meios de comunicação e postagens que faz em suas redes sociais, o governador sempre fala que sua maior preocupação é combater e novo coronavírus e evitar que pessoas morrem de covid-19. Sim, é verdade, mas ele também pensa nas eleições de 2020 e, sobretudo as de 2022. Ele pretende ser candidato à reeleição, mas poderá apoiar outro candidato e tentar voltar ao Senado.

Pode ser Bittar

Gladson Cameli já deixou claro que poderá apoiar a candidatura do senador Marcio Bittar (MDB-AC), o político mais influente, no momento, da Região Norte. Basta dizer que é vice-líder do governo, no Senado e relator do Orçamento Geral da União (OGU) e também do Novo Pacto Federativo. O governador quer viajar na sombra do Presidente Jair Bolsonaro.

Precisa decidir

Gladson Cameli faz juras de amor ao Presidente Jair Bolsonaro, mas pegou cordas dos esquerdistas no momento mais complicado da pandemia do novo coronavírus. Esse tal Comitê Covid-19, por exemplo, tem causado muitos desgastes políticos ao Governo. Além disso, o nosso governador precisa decidir de qual lado estará. Ele fala em fidelidade  a Bolsonaro, mas vive conversando com o governador de São Paulo, João Dória Junior.

Fim do discurso

Com o PT e o PC do B fora da aliança que vai apoiar a reeleição da prefeita Socorro Neri (PSB), seus adversários não mais poderão afirmar que ela é esquerdista. Na verdade, Socorro Neri viveu mais de 20 anos no MDB. Teve uma rápida passagem pelo PSDB, mas logo em seguida filiou-se ao PSB e não mais saiu, mesmo sabendo que correu risco de perder apoio do governador.

Time sem reserva

Dirigentes do PT conseguiram convencer apenas 11, isso mesmo, 11 candidatos a vereador em Rio Branco. Coincidência, ou não, um time sem reserva. Por isso, o partido corre risco de ficar sem representante na Câmara de Rio Branco. O presidente da Câmara, Antônio Moraes e o vereador Mamed Dankar saíram fora. Moraes está no PSB da prefeita Socorro Neri e Dankar no Pros, da deputada Maria Antônia.

Queda e coice

O PT começou a atual legislatura comandando a Prefeitura e a Câmara de Rio Branco. Hoje, quem está no comando dos dois poderes é o PSB, da prefeita Socorro Neri. E não adianta o PT ficar se lastimando. Afinal, a prefeita não pediu para se filiar ao PSB e tampouco para ser candidata a vice-prefeita, mas sim convidada. Em 2016, o PC do B perdeu espaço para o PSB e agora dançou para o fraquinho Psol.  Além de queda, coice!

Avacalhação

Salada ideologia é simples demais para definirmos o que está a ocorrer na composição de alianças, tanto na capital Rio Branco, quanto no interior.  Tem aliança DEM e PT; entre PC do B e PP. O MDB arrastou todos os petistas arrependidos e os descontentes. Se essas alianças avacalhadas forem vitoriosas, deverão brigar e espatifar tudo antes mesmo da diplomação. Será que essa gente sabe ao menos o que quer dizer ideologia política?

 Vida cartorial

Vejo muitos políticos afirmarem descaradamente que não estão nem aí para partidos. Outros afirmam que se fosse permitido, seriam candidato sem partido. Ao escolher o partidos, a maioria dos candidatos não se preocupar em saber qual a ideologia do mesmo, mas sim quais as chances que ele tem de vencer. Normalmente, troca de partido alguns meses depois de eleito. Não há, portanto, vida orgânica, mas sim apenas uma relação cartorial, nada mais.

Eleitor esquisito

Além dos eleitores que vivem a vender o voto a quem oferecer mais, há também aqueles pra lá de esquisito. Há muitos eleitores que afirmam que não votam em partidos, mas sim em pessoas.  O que passa, por exemplo, na cabeça de um cidadão que é contra o aborto, mas vive votando em político que defende tal crime?

Plano de governo

O que mais tenho ouvido nos últimos dias é a tal elaboração de plano de governo. Vamos fazer isso, executar aquilo.  Eu nunca votei em propostas e tampouco em planos de governo. Acompanho o cenário político-administrativo do Acre desde 1974, quando Wanderley Dantas passou a faixa governamental ao seu sucesso, Geraldo Mesquita. Historicamente, planos de governo existem para enganar eleitores menos avisados.

Liderança

A liderança do ex-prefeito Marcus Alexandre será testada agora. Se o candidato do PT à Prefeitura de Rio Branco, deputado Daniel Zen surpreender a todos e ir para o segundo turno, o prestígio estará comprovado. Caso contrário, era apenas goma, nada mais. As duas eleições que ele disputou com grande estrutura financeira, venceu. Quando o dinheiro diminui, Marcus foi massacrado por Gladson Cameli, na disputa pelo governo, em 2018.         

Tem que libera logo

Proprietários de Restaurantes e Pizzaria permanecem com seus estabelecimentos fechados. A decisão do Pacto Acre Sem Covid, autorizou penas com capacidade de 30%. Isso fica inviável, afinal, os custos operacionais não são apenas de 30%. Já passou da hora do governador autorizar a reabertura integral. Enquanto os estabelecimento estão fechados, o índice de desempregos só aumenta.

Artigos Publicados

O otimismo da prefeita Socorro Neri

A arapongagem estaria de volta oito anos depois

Governador e vice não olham mais para a mesma direção

Gladson e Rocha: prenúncios de um rompimento inevitável