Colunistas

Variável pode tornar vacina sem efeito

Em entrevista a este colunista, nesta quinta-feira, 18, no programa RB Notícias, ao vivo na TV Rio Branco-SBT, o vice-presidente da mesa diretora da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) e presidente municipal do PSB, deputado e médico infectologista, Jenilson Leite explicou os motivos pelos quais elaborou relatório sobre o avanço acelerado da transmissão do novo coronavírus, no Acre, sobretudo em Rio Branco.  Um nova variável, segundo ele, pode tornar a vacina sem efeito.

Cópia do relatório foi enviada ao governador Gladson Cameli (PP), deputados estaduais, membros da bancada federal em Brasília e Ministério Público. As informações serão usadas em uma possível ação em que o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, seja obrigado a priorizar o Estado no quesito da vacinação levando em conta a pandemia, os casos de dengue, a cheia dos rios, transbordamentos de igarapés e a crise migratória.

Com base em dados obtidos nesta semana, o estudo aponta que a situação atual dos casos da Covid-19 no Acre é de crescimento, tanto de casos novos, quanto ao número de óbitos. No geral, foram avaliadas 148.107 pessoas, no qual 93.630 notificações foram descartadas e 53.455 casos foram confirmados. Atualmente, 1.022 casos encontram-se em análises, 45.648 pessoas obtiveram alta médica. O número total de mortes já ultrapassa 930 pessoas.

As notificações sobre o vírus, no Acre, segundo relatório, começaram a partir de 02 de março de 2020, seguindo com uma média de 02 notificações por dia e após a confirmação dos primeiros casos, esses em 17 de março de 2020, as notificações aumentaram de forma significativa. “Até o momento, chegamos a 53.455 casos confirmados.

Os casos apresentaram um aumento até a semana 21 e da semana 31 a 37 verificou-se uma redução nos casos, mas aumentaram a partir da semana 38 os casos voltaram a apresentar flutuações, com aumento entre a semana 43-48. Houve um aumento considerável a partir de janeiro de 2021. Dos casos positivos, 24.288, o que equivale a 45,4%, são do sexo masculino e 29.167, equivalente a 54,6%, são do sexo feminino. A maior proporção é entre 30 a 39 anos, para ambos os sexos”, pontua o estudo.

Fase acelerada

Baseado no relatório, o deputado afirmou que o levantamento destaca que o Acre encontra-se na fase acelerada de transmissão comunitária do vírus e explica que os casos vinham evoluindo sem complicações, necessitando apenas de isolamento por 14 dias para tratamento e recuperação, sendo poucas as intercorrências graves, porém, a situação vem se mostrando outra, o que causa grande preocupação.

Os mais vulneráveis                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       “Em se tratando dos óbitos, é importante observar que 70% dos casos ocorreram em pessoas acima de 60 anos. Em relação ao sexo, 60% dos óbitos ocorreram no sexo masculino e 40% no sexo feminino. Desses, 64,6% já possuíam alguma comorbidade, porém, 35,4% evoluíram para o óbito sem apresentarem comorbidades anteriores”,afirmou o deputado.

Mutações

O relatório pontua que está em estudo a nova variante do coronavírus no Estado do Acre, entretanto, pode-se observar que os casos estão ficando mais graves e evoluindo mais rápido. A variante P1 já foi registrada em 17 países. Existem mutações que afetam a maneira como o vírus se fixa nas células humanas e são 56% mais contagiosas. Há evidências de que a variante provoca contágio mais rápido, casos mais graves e com maior índice de mortes.

Escassez

O documento que será encaminhado ao Ministro da Saúde reforça que a parte de assistência está escassa, uma vez que estamos vivendo uma saturação nos leitos, tanto na iniciativa privada como na pública, a capacidade de expansão está esgotada e os recursos humanos também, pois o sistema de saúde já perdeu vários profissionais da saúde para a doença chinesa.

Avanço da dengue

Jenilson Leite também aprofundou estudo da situação do Acre levou em conta também o surto de dengue no Acre é um agravo que, quase todos os anos, se apresenta como causa de adoecimento de milhares de pessoas. A situação epidemiológica da dengue no Estado e de forma geral no Brasil é apresentada, mostrando-se a introdução e a dispersão do vetor e dos diferentes sorotipos do vírus nas mais diferentes regiões e Estados.

Febre hemorrágica

O quadro epidemiológico tem se caracterizado como epidemias recorrentes, mais visível nos grandes centros urbanos. Um elemento novo no cenário é o crescimento da proporção de casos graves, especialmente casos da febre hemorrágica da dengue.

Colapso

Atualmente o Acre, que já vive uma situação de colapso na rede pública de saúde, com falta de profissionais e leitos de UTI devido ao crescente número de casos da Covid-19, passa a conviver também com um surto de dengue, registrando em média 500 casos por dia, aumentando, assim, a pressão no sistema de saúde”, pontua trecho do relatório.

Conflito migratório

O deputado destaca conflito migratória no Acre. A aglomeração de pessoas vinda de outros países é outra situação preocupante em nosso Estado, pois diariamente mais de 100 imigrantes das mais diversas nacionalidades, em sua maioria haitianos, cubanos e venezuelanos atravessam a fronteira entre o Acre, tendo o município de Assis Brasil como passagem, e o Peru, tendo o município de Iñapari como chegada.

Prioridade

A grande circulação e a estadia de estrangeiros na cidade de Assis Brasil é uma situação muito difícil de ser administrada, sendo uma situação que necessita de atenção, pois, somados ao problema da COVID-19, dengue e imigração desenfreada torna preocupante o cenário, fato que fortalece a necessidade de priorizar o Acre na agenda de imunização contra a doença Covid-19.

Sem explicação

A deputada Flordelis Souza (PSD-RJ), acusada de mandar matar o marido e o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado com R$ 30 mil na cueca, estão em plena liberdade. Já o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que falou a verdade sobre o STF, mesmo que de forma grosseira e desrespeitosa, foi preso na terça-feira de Carnaval.

Prisão ilegal

Claro que a prisão do deputado é ilegal. Quem tiver dúvida do eu estou a afirmar, basta conferir o artigo 53 da Constituição Federal.  Além disso, o Supremo Tribunal Federal (STF), desmoralizado pela própria natureza, faz tempo que não atende aos interesses do Brasil, decidiu rasgar a Constituição, .  

Usurpador

Em função da fragilidade do Executivo e do Legislativo, faz tempo que o STF vem usurpando os outros dois poderes. Agindo acima de tudo e de todos, os ministros do STF fazem leis e tomam decisões que são de competência exclusiva do Poder Executivo. Como não bastasse, classificam manifestações públicas como “atos antidemocráticos”.

Mais um petista

Médico e professor Osvaldo Leal, ex-secretário de Saúde de Rio Branco e do Estado, nos governos do PT, é o novo diretor do Hospital de Campanha da capital acreana no Instituto de Ortopedia e Traumatologia (Into). O primeiro ato foi mandar retirar ivermectina da lista de prescrição para pacientes.

Secretário nacional

Secretário nacional de assistência social, do Ministério da Família e Direitos Humanos, Miguel Oliveira, desembarcou nesta quinta-feira, 18, em Rio Branco. Oliveira fica responsável por cuidar das políticas de defesa civil. Ele veio conferir, de perto, a situação das famílias alagadas e dialogar com o Governo do Acre sobre a crise humanitária instalada na fronteira com o Peru.

Em Assis Brasil

Miguel Oliveira vai a Assis Brasil na sexta-feira, 19, para ter uma conversa com os imigrantes haitianos. Ele anunciou a vinda de membros de Organizações Internacionais que vão ajudar na resolução da crise diplomática e migratória. O governador entende que  migração pode aumentar o índice de infecção 

 

 

Artigos Publicados

O saldo positivo da vinda de Bolsonaro ao Acre

Comitê mantém Acre na bandeira vermelha

Alan Rick e Mara Rocha honram o Acre no Congresso Nacional