Colunistas

Gladson tem apoio de gaúchos em uma nova revolução 120 anos depois

Governador Gladson Cameli (PP) cumpriu, nesta semana, agenda oficial no Rio Grande do Sul e apresentar as potencialidades econômicas do Acre aos empresariais gaúchos. A visita faz parte do projeto Melhor Emprego, lançado em dezembro de 2021, que tem objetivo atrair novos empreendimentos ao estado e assim gerar emprego e renda.

Cameli visitou as instalações do Grupo Fasa, na cidade de Cruzeiro do Sul. O empreendimento está há 35 anos no mercado e conta com 14 fábricas em vários estados e é um dos maiores do Brasil, no segmento de reciclagem de subprodutos de origem animal, entre outros. “Nós atravessamos o Brasil em busca de oportunidades para os acreanos. Não vamos medir esforços para melhorar a vida da nossa gente.

O governador disse ainda que milhões de amazônidas precisam sustentar suas famílias com dignidade: “O Acre é uma terra promissora, basta verificar que estamos a poucas horas de Lima, no Peru, próximos a Miami, nos Estados Unidos e a Bogotá, capital da Collombia. E isso representa potencialidades, investimentos, economia ativa. Nosso povo merece uma vida melhor diante das riquezas que temos a oferecer”.

O presidente do Grupo Fasa, Dimas Martins, afirmou que a empresa é comandada por muitas mulheres, que representam força e energia, assim como o povo do Acre. “Estamos aqui para ajudar a gerar novas oportunidades, seja onde for. Já estive no Acre e fiquei impressionado com sua beleza; é um lugar que tem tudo a ver com a nossa empresa. A previsão é de que nossa empresa estará instalada no Acre em dez meses”, explicou.

Claro que trata-se de uma grande oportunidade: A missão ambiental da empresa é de suma importância ao nosso estado. Quando falamos em reciclagem, precisamos contar com o centro-sul do país. Muito mais que recepcionar essa empresa no Acre, existe a importância de se fazer a destinação correta dos nossos resíduos.

A ida do governador ao Rio Grande do Sul nos faz lembrar o que fez o então governador Wanderley Dantas, o Datinha, em 1972 ao Sul e ao Sudeste também para atrair investidores ao Acre. Podemos também fazer uma relação entre a Revolução Acreana, em 1902, que, em ira tenha sido realizada por mordeste-nos, sobretudo cearenses, teve como comandante o gaúcho Plácido de Castro.

Portanto, 120 anos depois, uma nova revolução começa a ser feita, deste vez sem bala, sem fuzil, sem canhão. A nova revolução agora comandada pelo governador Gladson Cameli. Com apoio de empresários gaúchos, o Acre poderá vencer a guerra contra o desemprego e voltar a sonhar com um novo amanhecer, um novo dia.  E o sonho que Dantinha teve há exatos 50 anos, pode se tornar, enfim, em realidade.

Volta antecipada

Gladson Cameli deveria voltar ao Acre somente na segunda-feira. No entanto, em função de algumas demandas que exigem urgência, o governador deve antecipar seu retorno para este sábado. Cameli precisa resolver tomar algumas decisões, tanto no campo administrativo, quanto no político.

Fim do congelamento

Governador decidiram por gim ao congelamento do ICMS sobre os combustíveis. Na verdade, os consumidores reclamam m mas já sabiam que o congelamento seria por apenas 90 dias, de  um de novembro a trinta de janeiro. Por isso, os preços tendem a disparar, outra vez, a partir de faveiro.

Incoerência

Os que criticam o governo pelos preços dos combustíveis, são os mesmo que condenam intervenção do governo na política d preços da Petrobras. Na verdade, o que provoca os aumentos são a taxação do dólar e a variação do preço do barril de petróleo no mercado internacional.

Insustentável

A situação do secretário de Indústria, Ciência e Tecnologia (Seict), Anderson Lima, ficou insustentável, após as operações da Polícia Federal, na operação Ptolomeu. Ele deve ser exonerado até o fim deste mês ou talvez já na próxima semana. Claro que ele vai ter oportunidade de se fender e tem chance de provar sua inocência, mas o desgaste é muito grande.

Pemuta

Segundo informações, o substituto de Lima na Seict será o engenheiro Assurbanipal Mesquita, assessor de Relações Institucionais do Sistema Fieac. O problema é que ele ocupou o cargo de secretário municipal adjunto de Desenvolvimento Urbano, no primero mandato do prefeito Marcus Alexandre (PT) e foi preso na Operação G-7, da Polícia Federal, em maio de 2013.

Projeto da reforma administrativa enviado à Câmara Municipal pelo prefeito Tião Bocalom nesta terça-feira (11), não contará com o voto de aprovação do líder da bancada do MDB na casa, vereador Emerson Jarude. Ele deixou isso bem claro ao ser entrevistado por este colunista, nesta sexta-feira, no programa RB Notícias, ao vivo, na TV Rio branco-SBT.

Indignação

O vereador externou sua indignação com a proposta do gestor que sugere a criação de uma nova secretaria, 150 novos cargos comissionados e 30 funções gratificadas, gerando o gasto superior a R$ 15 milhões por ano aos cofres públicos. O projeto também propõe a criação de “assessorias especiais” que receberão o salário equivalente ao de secretários municipais.

Falta e compromisso

“O sistema de transporte coletivo encontra-se em colapso, a saúde municipal em estado de emergência e essa é a solução proposta pelo prefeito? Mais cargos, mais gastos e mais indicações feitas sem critério técnico?”. O vereador criticou o planejamento da gestão e a falta de compromisso com os problemas enfrentados pela população.

Paulinha

Presidente da Câmara de Cruzeiro do Sul, vereador Franciney Freitas (PDT), público decreto no Diário Oficial do Estado (DOE), nesta sexta-feira, 14, nomeando a senhora Paulinha como assessora parlamentar do Vereador Gilmar Giles de Oliveira, o Gilmar da Saúde. O decretado foi editado dia três e janeiro e tem efeito retroativo a um de janeiro. Ou seja, Paulinho já recebe seu salário este mês.

Revogação

Claro que depois da repercussão extremamente negativa, na próxima segunda-feira, um novo decreto será publicado revogando a nomeação de Paulinha e, ao mesmo tempo, externando o nome completo da assessora parlamentar do vereador Gilmar da Saúde. Pelo visto, a mesa diretora da Câmara se Cruzeiro do Sul é muito bem assessorada.

Sobre o grupo

Conhecido por seu potencial e administração sólida, o Grupo Fasa foi criado em dezembro de 2010 com a sociedade de dois grupos do setor de reciclagem de subprodutos de origem animal, sendo o Grupo Faros do Brasil e o Grupo Sapi, da Itália.

União de forças

De um lado, o Grupo Faros, com mais de 35 anos de tradição, é considerado uma das maiores empresas no segmento de reciclagem animal do Brasil. Do outro lado, o Grupo Sapi, com mais de 50 anos de tradição na Itália e também em outros países, oferecendo grande experiência no mercado internacional.

Fortalecimento

Em 2016, a empresa chilena Corpesca, pertencente ao Grupo Angelini, ingressou no Grupo Fasa, trazendo experiência de mais de 65 anos de atuação global no segmento de proteínas marinhas, animais e vegetais. A empresa é conhecida por seu potencial e administração sólida, preocupada acima de tudo, com o futuro ambiental do país.

 

 

Artigos Publicados