Colunistas

Caged mostra saldo positivo na geração de empregos com carteira assinada no Acre

Caged divulgou dados de novas vagas de emprego nesta segunda-feira (6). No Acre, alta foi puxada pelos setores de serviços, construção, informação e comércio. O Acre segue com o saldo positivo de empregos e fechou o mês de abril com quase 800 novas carteiras assinadas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta segunda-feira, dia seis de junho.

Os números mostram que foram 3.971 admissões e 3.173 desligamentos, fechando com um saldo de 798 novos postos de emprego no período avaliado. Em março, o Acre gerou 762 empregos com carteira assinada. Ao todo, o estado registrou, no mês passado, 4.149 contratações e 3.387 demissões. A alta no nosso estado foi puxada pelos saldos positivos de serviços, construção civil e informação.

Ainda segundo o Caged, setores como prestação de serviços, construção civil, informação e comunicação em sobretudo o comercio foram os responsáveis pelo saldo positivo na geração de empregos, na capital e interior.

O acumulado até o momento é de 2.304 postos. Conforme o levantamento, até abril, o estado acreano abriu 15.792 vagas e fechou outras 13.488. O estoque de empregos com carteira assinada no Acre, em abril deste ano, ficou em 89.372 empregos.

Em nível nacional, o Brasil também fechou o mês de abril com saldo positivo, com 196.966 novos empregos. Foram mais de 1,8 milhão de admissões e 1,6 milhão de demissões.

O secretário de Indústria, Ciências e Tecnologia, engenheiro elétrico Assurbanípal Mesquita, acredita que os números atuais são ainda mais animadores, uma vez que não foram computados nesse levantamento, os dados maio, quando o comércio e a indústria tiveram considerável crescimento em função do dia das mães e junho chega também com muita força puxado pelas compras referentes ao Dia dos Namorados.

Confirmação

Pesquisa Realtime Big Data, realizada nos dias 4 a 6 de junho, ouvindo1.500, publicada nesta terça-feira, 07, pela TV Gazeta, mostram mais ou menos o mesmo cenário da consulta popular encomendada pelo Sistema Fieac, semana passada. Ou seja, o governador Gadson Cameli (PP) continua firme e forte na liderança.

 

Capital e interior

 Dos 1.500 eleitores que foram ouvidos, 46% residem em Rio Branco, enquanto 23% são do Vale do Acre, dos municípios de Brasileia, Sena Madureira, Senador Guiomard, Plácido de Castro, Xapuri e Porto Acre. Além de 31% dos eleitores do Vale do Juruá, dos municípios de Cruzeiro do Sul, Feijó, Tarauacá, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo e Rodrigues Alves.

Registro

A pesquisa é registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número AC04884/2022. Para governador do Estado do Acre, foram avaliados dois cenários estimulados, além da pesquisa espontânea. O nível de confiança de pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Estimulada

Na esquissa estimulada, o governador Gladson Cameli (PP), aparece liderando a pesquisa com 41% dos votos; seguido pela deputada federal Mara Rocha (MDB), com 17%; o senador Sérgio Petecão (PSD), com 14%; e o deputado Jenilson Leite (PSB), com 11%. Brancos e nulos somam 9%, enquanto as pessoas que não souberam ou não opinaram representam 8%.

Com Bittar

No segundo cenário, o governador Gladson Cameli também lidera com 38% dos votos; seguido por Mara Rocha, com 15%; Sérgio Petecão, com 12%; enquanto Márcio Bittar, do União Brasil, e Jenilson Leite aparecem empatados com 12% cada. Brancos e nulos somam 7%, enquanto as pessoas que não souberam ou não opinaram representam 7% do total.

Espontânea

Gladson Cameli aparece com 26% das intenções de votos; seguido por Mara Rocha, Jenilson Leite, e Sérgio Petecão com 4% cada. Enquanto Jorge Viana apresenta 3%; Marcus Alexandre 2% e Márcio Bittar 1%. Brancos ou nulo apresentam, 17%; enquanto os acreanos que não souberam ou não opinaram representam 39%.

Roda Viva

Programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira, 06, recebeu o pré-candidato do PT ao Governo de São Paulo, advogado e professor Fernando Haddad. Ele foi ministro da Educação nos governos de Lula da Silva e Dilma Rousseff, de 2005 a 2012 e prefeito de São Paulo, de 2013 a 2016.

Vários culpados

Aos ser pressionado pela apresentadora do programa, jornalista Vera Magalhães, e pelos jornalistas convidados sobre promessa de campanha que não foram cumpridas, o petista apresentou várias desculpas e responsabilizou antecessores sobre o fracasso em sua gestão como prefeito de São Paulo.

Desconhecimento

Ao falar sobre as propostas para combater a violência em São Paulo, Haddad demostrou falta de conhecimento sobre o assunto, notadamente nas ações de prevenção e combate às facções criminosas que tomam conta do Brasil, contaminando vários segmentos, entre as quais as entidades de ações sociais.

Desmatamento

No fundo, Haddad perdeu uma boa oportunidade para falar se suas propostas para mudar os rumos de São Paulo, castigado pela inoperância do governo João Doria (PSDB), que nada fez além de campanha rumo a Presidência e acabou desistindo, ao sentir seu plano desmoronado. Haddad preferiu se preocupar em falar sobre desmatamento na Amazônia.

Aposta em Lula

Fernando Haddad aposta no prestigio político do ex-presidente Lula em São Paulo e na retirada da candidatura do socialista Marcio França (PSB) para vencer a disputa em São Paulo. Ocorre que lá, o Presidente Jair Bolsonaro já ultrapassou Lula da Silva nas pesquisas. Além disso, França estaria descontente com a direção nacional do PSB por ter retirado seu nome da disputa.

Tribuna Livre

Programa Tribuna Livre desta segunda-feira, 06, na TV Rio Branco-Cultura, recebeu o pré-candidato do PT ao Senado, Jorge Viana. O ex-prefeito, ex-governador e ex-senador criticou o governador Gladson Cameli (PP), afirmando não haver projeto, nem equipe de governo. “Quantas casas construíram, quantas escolas fizeram? ”, indagou Viana.

Outros alvos

O senador petista também mirou em outros alvos, como o senador Marcio Bittar (União Brasil-AC), que ele chama de “senador do orçamento secreto”, e os fazendeiros, que, segundo Viana, foram muito prestigiados em seu governo e nas demais gestações do PT, tanto no Governo do Acre, quanto na Prefeitura de Rio Branco.

Deliberação

Na semana passada, a direção regional do PT deliberou pela prioridade da pré-candidatura de Viana ao Senado e a de Lula da Silva à presidência da República. O PT também quer eleger, ao menos, dois deputados federais e quatro ou cinco estaduais. Mas existes remotas chances de o partido lançar Jorge Viana ao governo.

Artigos Publicados