Colunistas

Vereador e deputado formalizam pedido de inintervenção federal na Segurança Pública

Pedido de intervenção federal na Segurança Pública do Acre, defendida há alguns dias pelo vereador Emerson Jarude  e o deputado Roberto Duarte (MDB) foi formalizado nesta  quarta-feira, 5. Jarude e Duarte, apresentaram ofícios na Câmara de Rio Branco e Assembleia Legislativa.

No documento protocolado nas duas casas de lei, os  parlamentares sugerem ao governador Gladson Cameli (PP) que formalize pedido de intervenção ao Presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A falta de efetivo de policiais militares e civis, a crise no sistema prisional e as 47 mortes violentas registradas somente em janeiro deste ano, são usados para justificar o pedido de intervenção. Claro que a proposta gerou um debate acirrado, principalmente na Assembleia Legislativa, onde a maioria dos deputados não vê motivos para intervenção.

 

Dos 24 deputados estaduais, apenas os sete da oposição assinaram o documento. Edvaldo Magalhães (PCdoB), Jonas Lima (PT), Jenilson Leite (PSB), Maria Antônia (PROS), Wagner Felipe (PL) e o autor do ofício Roberto Duarte. assinaram a demanda.

O líder do PT na Aleac, deputado Daniel Zeen surpreendeu a todos ao afirmar, de forma antecipada, que não assinaria o documento por acreditar que intervenção não é a melhor forma de resolver o assunto, contrariando até o apoio de seu colega de partido, Jonas Lima.

Na Câmara de Rio Branco, a aceitação foi mais ampla. Dos 17 vereadores, 11 assinaram o requerimento apresentado por Jarude. Assinaram o documento os vereadores: Artêmio Costa, Célio Gadelha, Jackson Ramos, Eduardo Farias, Elzinha Mendonça, José Carlos Juruna, Laércio da Farmácia, Lene Petecão, Mamed Dankar e Rodrigo Forneck.

Mais três assinaturas

Emerson Jarude afirmou que pretende obter apoio de mais três vereadoresantes de  protocolar o ofício no gabinete do governador. Enquanto isso, Roberto Duarte acredita que a base do governo deve trabalhar para desmobilizar o intervenção demanda.

Silêncio do líder

Na tribuna da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), o ainda  líder do governo, deputado Gerlen Diniz (PP), preferiu não tocar no assunto. Ele destacou penas as medidas que Estado vem tomando para combater a violência, na capital e interior.

Deus no controle

"Eu quero ser prefeito para que Deus governe Rio Branco através de minha vida", afirmou o ex-deputado estadual Jamyl Asfury, pastor evangélico e presidente regional do Partido Social Cristão (PSC).

Entrevista

Jamyl Asfury foi entrevistado no programa Boa Noite Rio Branco, nesta terça-feira, na TV Rio Branco-SBT e afirmou que um de suas propostas pe a criação da Guarda Municipal par segundo ele, cuidar dos cidadãos.

Em Brasília

Ele está em Brasília, onde participou, nesta quinta-feira,6, de um encontro dos presidentes regionais do PSC, a bancada e os governadores Wilson Witzel, do Rio de Janeiro e Wilson Lima, do Amazonas, no Hotel Kubitschek Plaza.

Salários em atraso

Professores do Instituto São José, uma das escolas tradicionais, de Rio Branco, estão com seus salários em atraso desde dezembro. Por isso, as aulas por lá deverão começar também com atraso. Sem dinheiro, os professores ameaçam não voltar às salas de aula.

Histórico

Inaugurado em 1958, o Instituto São José, é conveniado e recebe recursos do estado para atender mais de mil alunos da rede pública de ensino. No entanto, sempre foi administrado pelas irmãs Servas de Maria.

Em Brasília

Ele está em Brasília, onde participou, nesta quinta-feira,6, de um encontro dos presidentes regionais do PSC, a bancada e os governadores Wilson Witzel, do Rio de Janeiro e Wilson Lima, do Amazonas, no Hotel Kubitschek Plaza.

Visita à Mourão

Senador Marcio Bittar (MDB) visitou o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, com quem tratou sobre temas relacionados ao desenvolvimento econômico da região amazônica.

Dois convites

Bittar convidou Mourão a participar, no Senado, de um encontro com os representantes dos estados que compõem a Amazônia Legal, Bittar convidou Mourão a visitar o Acre. O general se comprometeu a vir ao estado ainda neste ano.

Flexibilização

O senador acreano reiterou ao vice-presidente a necessidade de flexibilização das leis ambientais ao ponto de se equilibrar a preservação da floresta com a exploração racional dos seus recursos.

Soberania

Mourão enfatizou a determinação do governo em preservar, conservar e desenvolver a Amazônia. O general também falou sobre a soberania nacional sobre a região, a ingerência de países que continuam a crescer a partir da queima de combustíveis fósseis e carvão.

Engessamento

“O vice-presidente Mourão tem ciência de que o financiamento, por parte de países ricos, a Organizações Não Governamentais que atuam na seara ambiental, tem sido a principal causa do engessamento do setor produtivo na região amazônica”, afirmou Bittar.

De Brasilia, onde estaria a cumprir agenda oficial, o governador Gladson Cameli (PP) mandou dizer, na tarde desta quinta-feira que não trabalha com a possibilidade de pedir intervenção federal.

“Eu estou trabalhando, correndo em todos os ministérios com o objetivo de tentar amenizar essa situação, sentamos com o ministro Sérgio Moro que nos garantiu apoio. Hoje não existe parâmetro para esse tipo de pedido, mas se isso ocorrer mas para frente, não criarei dificuldades se for necessário”. No fundo, o pro´rio governador estaria a admitir que não há outro caminho.

As declarações do governador são em reação aos ofícios de autoria do deputado Roberto Duarte (MDB) e do vereador Emerson Jarude (sem partido), na Assembleia Legislativa e Câmara de Rio Branco, pedindo ao governador a decretação de uma intervenção federal na Segurança Pública.

O governador afirma que os parlamentares têm o direito de manifestar como bem entenderem, mas “sem politicagem”. “É um direito deles. Como democrata apoio qualquer tipo de manifestação. Eu não sou candidato a prefeito e espero, sinceramente, que isso não seja uma forma de politicagem”, afirmou.

PANORÂMICAS

# Governador deve voltar a Rio Branco nesta seta-feira ou sábado e á mandou montar uma extensa agenda neste domingo, no Palácio Branco.

# Será realizado encontro com membros de todos os poderes para o que o governador chamada de “Conversa Franca”.

#  “Estou chamando todos os membros dos poderes para uma conversa franca. Quero o apoio de todos, inclusive dos donos dos jornais”, afirma.

# “Essa união tem que ser conjunta, única, sem desvios para que de fato a população almeje a paz”, afirmou.

# Que a reunião precisa e deve ocorrer, ninguém tem dúvida. Na verdade, já deveria ter sido realizada há muito tempo.

# O que muitos não gostaram foi do dia. Domingo  é dia de repouso, mas todos confirmaram presença.

# Ou as instituições se unem contra o crime ou as facções irão dominar de vez o Acre, sobretudo Rio Branco.

# Muitos afirmam que a legislação é fraca e serve com incentivo aos criminosos.

# De fato, a legislação precisa e deve ser alterada o quanto antes.

# Mas nada explica o fato de um bandido ser presos em flagrante e alguns dias depois ser visto outra vez praticando os mesmo crimes.

# Alguns operadores da lei estão usando a tal audiência de custódia como desculpas para colocar bandidos em liberdade.

# Membros da Justiça culpam o governo, mas alguns também estão deixando de cumprir sua missão.

# Tudo isso precisa e deve ser posto em pratos limpos. Chega de  violência e sensação de impunidade!

# Um bom dia aos familiares das vítimas da violência no Acre, notadamente em Rio Branco.

Artigos Publicados

O voto que derruba o veto na Aleac

Decreto define regras de execução orçamentária

Debate do DCE na Fieac é transformado em jogo de 4 x 1

Aleac é alvo de nova operação da Polícia Federal

O otimismo da prefeita Socorro Neri