Colunistas

Vidas importam

Já designado relator da CPI da Covid19, o senador Renan Calheiros fez um discurso oportuníssimo

 

Os bolsonaristas fizeram o diabo para evitar que o senador Renan Calheiros não fosse indicado relator da CPI da Covid-19, e não eleito, como imaginou o juiz Charles de Morais. Ao assim proceder, o referido juiz contribuiu para a politização da CPI da Covid-19. Ainda assim, e já na condição de relator da referida CPI, o próprio senador Renan Calheiros, respondeu: “farei o possível para que esta CPI não venha ser politizada”. Por certo, o senador Renan Calheiros se reportava as vidas que ainda poderão ser poupadas, até porque, sobre as 400.000 mortes  derivadas da Covid-19, só lhes restava fazer o que fez, até porque, para quem já morreu, nada mais poderá ser feito, a não ser, as lamentações. Entretanto, como a Covid-19 continua ameaçando a vida de milhares de brasileiros, e em quantidade que já nos colocou na incômoda condição de campeão mundial de mortes diárias, e no total, apenas os EUA nos superam, muito há que ser feito para que seja contida tão desumana tragédia, a maior de toda a nossa história.

Para tanto, faz-se necessário que, a despeito das inúmeras crises que estamos enfrentando, que seja dada prioridade a luta contra a Covid-19, ou mais precisamente, ao alastramento do seu correspondente vírus. Na Oceania, os países que compõem o referido continente, a se destacar, na Austrália e na Nova Zelândia, seus habitantes já voltaram a viver na mais relativa normalidade. Neles, a morte por Covid-19 já não mais tem se verificado no decorrer de diversos meses. Outro exemplo: deste a posse do atual presidente dos EUA que o número de mortes por Covid-19 despencaram. E por quê? Diferentemente do seu antecessor, Donald Trump, o atual presidente Joe Biden, todas as suas ações e decisões políticas derivam-se das orientações científicas, e não de eventuais impulsos. A expressão gripezinha, ao se reportar a Covid-19, foi produzida pela primeira vez pelo estão presidente Donald Trump. Hoje, e já por diversos meses, o nosso país continua sendo o epicentro mundial da Covid-19, e em número diário de mortes, continuamos no triste e lamentável primeiríssimo lugar, embora as mortes dos mais vulneráveis, dos mais idosos, tenham caído consideravelmente, isto porque, e muito acertadamente, em sua grande maioria, porque já foram vacinados. Da CPI da Covid-19, com certeza, a precariedade da nossa vacinação há que ser considerada como a principal causa do genocídio que ora vivenciamos, e em segundo lugar, ao não cumprimento, por parte considerável da nossa sociedade, das medidas preventivas contra a contaminação da Covid-19, entre elas, a se destacar: o não uso, ou o uso inadequado das máscaras e o distanciamento social. 

Artigos Publicados

Autonomia médica

Bons tempos, àqueles.

Glorioso, certamente

Estamos fatigados

Sob ameaça