Colunistas

Interesses e amizades

Entre países não existem amizades, e sim, interesses.

Presentemente, entre a China e os EUA, qual dos dois países que melhor tem atendidos aos interesses do nosso país? Logicamente, a China, justamente por ser o principal destino das nossas exportações, em particular, dos produtos do nosso agro-negócio e com o qual, conseguimos o maior superávit comercial de toda a nossa história. 

Ainda assim, dado o regime político vigente na China, que sequer sabemos como denominá-lo, pois se intrinsecamente comunista fosse, jamais teria se transformado no maior país capitalista do mundo. Tanto é assim, que o seu PIB, se ainda não ultrapassou, brevemente ultrapassará o dos EUA. Isto só foi possível porque, independente dos regimes vigentes nos demais países, ideologicamente, para a China, isto não faz a menor diferença. Para tanto, basta que avaliemos as relações comerciais, entre a China e os EUA, certamente, a mais gigantesca do planeta. 

A propósito, a China é a maior credora do gigantesco déficit fiscal dos EUA, algo que supera a casa dos trilhões de dólares. Enquanto isto acontece, aqui no Brasil, bandos de fanáticos, diria até, de imbecis, se dizem contrário ao relacionamento Brasil/China, por mais proveitoso que seja em nosso favor.                           
Fosse para ser assim, jamais seríamos aliados da Arábia Saudita, este sim, o país mais fechado do mundo, e como conseqüência, mais antidemocrático que a própria China. Inteligente são os países cujos chefes de Estados não põem suas ideologias acima de seus interesses. 

Jamais devemos nos envolver, aí sim, na guerra travada entre a China e os EUA, ambos visando a hegemonia mundial, a exemplo do que aconteceu entre os EUA e ex-URSS, ao tempo da chamada guerra fria, que por muito pouco não nos levou a terceira guerra mundial.

Reporto-me, por ser de fundamental importância, não apenas a desastrosa politização que foi dada a Covid-19, sobretudo a estupidez provocada sobre qual vacina que devêssemos adotar, posto que, sua definição deveria partir da ciência, jamais do interesse ideológico deste ou daquele governante.

Lamentavelmente, isto não está acontecendo no nosso país, e de forma, escancaradamente percebível.  

Se já existissem várias vacinas, cientificamente testadas e comprovadas, caberia ao presidente Jair Bolsonaro escolher aquela que melhor atendesse aos interesses do nosso país, entretanto, como isto ainda não aconteceu, a denominada de coronavac é a que se encontra em vias de ser aprovada, acabou despertando os interesses das nossas principais autoridades, com exceção, do presidente Jair Bolsonaro, justamente pela presença de cientistas chineses, ainda que presentes estejam os cientistas do nosso conceituado Instituto Butantan, e as mesmas seriam fabricadas no nosso país.   

 

Artigos Publicados

Regra é regra

Inevitável

Vamos aos fatos

JSP-Jornalismo sem partido

Chega de patriotadas