Colunistas

Juros

                                        Os juros altos impedem o desenvolvimento econômico em todos os país que os adotam.

             Quem assistir a um debate, presentes uma dezena de economistas, entre os mais renomados do nosso país, sobre as verdadeiras causas da nossa inflação, cada um deles tem uma proposição distinta, embora todos deles refiram-se a taxa de juros que devem ser oficialmente estabelecidas.

          No nosso caso, presentemente, estamos submetidos a maior taxa de juros do mundo, portanto é esta particularidade que nos chama a atenção, mesmo entre aqueles, como eu, que não tem autoridade e nem saber para opinar sobre os assuntos que dizem respeito a macro-economia.

       Ainda assim, de uma coisa tenho absoluta certeza: nossas altíssimas taxas de juros altos estão sacrificando a grande maioria da nossa população, em particular os de baixa renda e assombrando àqueles que realmente se beneficiam com suas aplicações financeiras, ainda que tenham seus rendimentos garantidos pelo nosso tesouro nacional. Daí a pergunta que não pode calar: até quando o nosso Estado poderá garantir os nossos especuladores?

         Todo Estado é poderoso, ou seja, pode muito, mas não pode tudo, até porque, para tudo há um limite. Nos EUA e em todos os países da Europa, a relação entre a inflação e a taxa de juros, após a epidemia da Covid-19 e a guerra Rússia/Ucrânia, tem motivado o estabelecimento de diferentes taxas de juros a pretexto de se combater a inflação. Em vários deles, a taxa de juros ficou negativa em relação à inflação corrente, isto visando o não comprometimento acentuado do desenvolvimento econômico cada um deles.

          Há uma lógica bastante razoável para este proceder, no caso, a lei da oferta e da procura. A demanda, sobretudo dos derivados de petróleo, foi bastante escasseada e se constituiu na razão determinante dos aumentos dos seus preços.

        Em nosso país, embora a nossa dependência dos produtos derivados do petróleo seja bem menor que a de diversos países, mundo afora, ainda assim, estamos pagando um alto preço pela escassez dos referidos produtos, entre eles, a decisão do nosso Banco Central, temendo o crescimento da nossa inflação, determinou sucessivos aumentos na nossa taxa de juros como instrumento capaz de detê-la, decisões que estão sendo contestada pelo presidente Lula e por celebrados economistas.  

 

 

Artigos Publicados

Simples assim

Discordei

Jocosamente

O comunismo chinês

Libertinagem