Colunistas

É assim mesmo

Ao ser ironizado por haver mudado de opinião, John Maynard Keynes respondeu: “quando os fatos mudam, eu mudo de opinião.
No dia 20 de julho de 1969, os tripulantes da Apolo 11 pisaram na lua pela primeira vez e até hoje não se sabe, e nunca saberemos, quantos bilhões e/ou trilhões de dólares foram gastos para àquela que foi considerada, à época, uma das maiores conquistas da humanidade, e menos ainda, qual foi à gastança já realizada, de lá para cá, na busca da conquista do nosso espaço sideral.

Outra pergunta: quantos trilhões de dólares os países, sobretudo os mais ricos e poderosos destinam em seus orçamentos para se fortalecerem belicamente? Como tais gastos são considerados ‘”segredo de Estado”, nem hoje e nem nunca saberemos.

Se uma parcela da gastança já torrada nos dois projetos acima citados, digamos assim, pelo ao menos a metade, houvesse se destinado a melhorar a educação e a saúde da humanidade, muito provavelmente, o coronavirus não estaria promovendo tantos estragos, isto porque, já no ano de 1937, os primeiros humanos foram afetados com um dos vírus derivados da família coronavirus. O Covid-19, a doença que ora está ameaçando o mundo, resultou das suas diversas mutações. A própria denominação “novo coronavirus”, deixa subentendido que o “coronavirus” já existia. 

Quis o imponderável do destino que o coronavirus, na sua versão mais perversa, no caso, o Covid-19, surgisse na cidade de Wuhan, situada na província de Hubei, portanto na China, presentemente, a segunda maior potência do mundo e de lá se espraiasse para o restante do planeta, sobretudo para a Europa e os EUA, e se não contido, nenhum país ficará isento. Já imaginaram os estragos que serão causados se o Covid-19 vier se estabelecer no continente africano e na nossa América Latina?  No Brasil, os Estados mais afetados foram justamente, os mais importantes, política e economicamente, no caso, São Paulo e o Rio de Janeiro.

Não há outra expressão que não seja “estado de guerra”, para definir a situação que a humanidade está passando. Mas para vencermos, de antemão, precisamos entender que o coronarvirus não tem ideologia e tampouco precisa de passaporte para invadir qualquer país. E sim, seguirmos as recomendações emanadas das nossas autoridades políticas e sanitárias, algumas delas, bastante simples, como lavar as nossas mãos com bastante freqüência, e outras, um tanto incômoda, mas absolutamente necessária, como ficar em casa e só sair às ruas em última instância.

 Detalhe a ser considerado: politizar o combate a Covid-19 é tão grave e tão perigoso quanto os males que o próprio coronavirus poderá produzir. Daí a importância das boas informações.
Ouviram bem, senhores internautas?

Artigos Publicados

Simples assim

Noticias falsas

Chega de assassinatos

Abre e fecha

Fake News