Colunistas

Tratamento precoce

Contra a Covid-19 não existe tratamento precoce,   só e somente só, prevenções e vacinas. 

Quando um infectado por Covid-19 busca uma unidade de saúde não significa que ele irá receber um tratamento precoce contra a própria doença, e sim, contra algumas das suas incômodas conseqüências. O próprio médico francês, Didier Raoult, inventor e defensor da cloroquina como tratamento precoce contra a Covid-19 acaba de dizer que o referido fármaco não produz nenhum efeito e, portanto, não reduz as mortes dos seus contaminados. 

Aliás, os principais centros científicos do mundo e as nossa principais instituições multilaterais, a exemplo da OMS-Organização Mundial de Saúde e da OPAS-Organização Panamericana de Saúde já haviam chegado a mesma conclusão.  Portanto, se engana quem pensar que a cloroquina se presta como remédio contra Covid-19. Dito isto, o profissional de saúde que recomendá-la estará agindo à margem da ciência. Diria até: contra a Covid-19 a cloroquina terá o mesmo efeito que terá a semente sugerida pelo charlatão e pastor Waldomiro Santiago.                       

Só e somente só as vacinas, em particular, àquelas que já foram testadas em suas eficácias e seguranças, poderão evitar a contaminação e a propagação da Covid-19. Mas como não existem vacinas em quantidade para atender aos milhões contaminados, resta-nos tão somente nos prevenirmos, ou seja, seguirmos as recomendadas emanadas pela própria ciência.

Lamentavelmente, parte da nossa sociedade, em particular, os negacionistas e àqueles que politizaram a Covid-19, continuam se comportando muito irresponsavelmente, ou seja, continuam participando de aglomerações, não usam as já costumeiras máscaras e sequer lavam as mãos quando tocam em objetos passíveis de conter o seu respectivo vírus. 

Os esforços dos nossos profissionais de saúde e das nossas autoridades não bastam para conter a propagação da Covid-19 se parte da nossa população continuar desobedecendo às recomendações que evitem a sua proliferação, até porque, nem mesmo os países mais evoluídos do mundo dispõem das condições para atender o número de contaminadas pela Covid-19 se a quantidade de contaminados superar suas capacidades de atendimentos. O que está acontecendo no Estado do Amazonas, em particular, na cidade de Manaus, não poderia ser mais explicativo. 

Quem não se previne contra a Covid-19 poderá ao mesmo tempo, não apenas se contaminar como contaminar os outros. Está corrente precisa ser interrompida, do contrário, e a depender da escassez das vacinas e das dificuldades de obtê-las, os nossos sistemas de saúde pública não terão condições de atender àqueles que deles necessitam. 

 Em relação ao Acre, e a bem da verdade diga-se: o governador Gladson Cameli tem feito o possível e o impossível no enfrentamento a Covid-19. 

 

Artigos Publicados

Assintomáticas

Um novo fim

Sem alternativa

Encrencadas

Vacinas/já