Colunistas

Péssima marca

Após ter sido julgado como um juiz incompetente e parcial,como político Sérgio Moro já se revelou num farsante. 
Do alto da fama as profundezas do lodaçal, o tempo, sempre ele, como o senhor da razão, revelou no quanto ficou reduzido o falso herói Sérgio Moro. Eu, particularmente, nunca me enganei, pois não tardei a ver que os seus pés eram de barro. Lamentavelmente, minha isolada voz e os meus permanentes protestos não tiveram vez ante as multidões que o tinham na conta de herói e que tanto o aplaudia.  
Hoje, ao vê-lo sendo julgado como um traidor pelos bolsonaristas, para os lulistas e o restante dos brasileiros como alguém que tanto mal fez ao nosso país, e em particular, a nossa atividade política, pergunto: por que por seguidos anos, Sérgio Moro conseguiu nos enganar? 
Por oportuno lembremos: este sujeito chegou a pensar que um dia se tornaria presidente da nossa República, e neste sentido, fez da ora falida Operação Lava-Jato seu posto avançado, embora sendo falsa a bandeira que empunhava, no caso, a do combate à corrupção. 
De tão incompetente enquanto foi juiz, Sérgio Moro não se apercebeu que sua pequenez política iria transformá-lo, no que acabou transformando-o, no que poderia existir de pior para nossa atividade política. Com a palavra a deputada federal Renata Abreu, presidente nacional do Podemos, o partido que cedeu a sua legenda para a pretensa candidatura de Sérgio Moro à presidência da República. E o que dirá o senador Álvaro Dias, o principal incentivador da referida candidatura? 
Na maior cara de pau, Sérgio Moro abandonou o Podemos e sabe-se lá com quais intenções filiou-se ao União Brasil. Ironias à parte, a presidente do Podemos, Renata Abreu, só veio tomar conhecimento da referida mudança através da imprensa e das redes sociais. Que sujeitinho! Sequer levou em consideração o quanto o Podemos havia gastado visando promovê-lo. 
Prosseguindo em sua canalhice, Sérgio Moro comete uma fraude que a nossa Justiça Eleitoral jamais poderá permitir que prospere. Reporto-me a transferência do seu domicílio eleitoral do Estado do Paraná para o de São Paulo, posto que, este comportamento se constituiu num crime eleitoral. 
Se já caiu na real, como se diz na gíria popular, Sérgio Moro dever estar vivendo o pior inferno da sua vida, afinal de contas, ora vê-se na condição de réu, assim considerado pela nossa própria justiça e ainda por cima tendo que engolir, a seco, o ex-presidente Lula em primeiro ligar em todas as pesquisas no que diz respeito à disputa pela presidência da nossa República. 
Eu, particularmente, gostaria de vê-lo candidato para assim poder dispor da quantidade exata de brasileiros que o julgaria como juiz incompetente e parcial que foi, e ao mesmo tempo, a de brasileiros que consideram que o ex-presidente Lula foi vítima de uma organização criminosa, a tal Lava-Jato.

 

Artigos Publicados

Horizontes sombrios

Integrar para não entregar

Aliança feita

Urge reformá-la

Petrobrás