Colunistas

Senhores internautas!

Ao invés de contribuírem com a veiculação das notícias as redes sociais têm se prestado para veicular fake News.

Humberto Eco foi um escritor de fama internacional e viveu até o dia 19 de fevereiro de 2016. Portanto, assistiu o nascedouro das redes sociais e acompanhou por vários anos o comportamento dos chamados internautas. Humberto Ego foi professor das mais importantes universidades do mundo, entre elas: a de Bolonha, a de Yale, a de Harvard, a de Toronto e do Collège de France.  Sobre as redes sociais, assim ele se posicionou, em uma de suas celebradas aulas: “As redes sociais dão o direito de falar a uma legião de idiotas que antes só falavam em um bar depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a humanidade. Então eram rapidamente silenciados, mas, agora, têm o mesmo direito de falar que um prêmio Nobel. É a invasão dos imbecis. E o mais grave: ainda se consideram formadores de opinião. Nada mais verdadeiro, afinal de contas, volta e meia, sou consultado por pessoas que em matéria de política não entende bulhufas, ainda assim, questiona-me exatamente sobre o que penso sobre determinados aspectos da nossa precária atividade política. De pronto respondi-lhes: “os nossos muitos vícios e as nossas parcas virtudes tem sua origem no nosso esquizofrênico regime presidencialista”. E ainda acresci: ao meu sentir, se vivêssemos sobre a égide do regime parlamentarista as coisas tenderiam a melhorar. E ainda exemplifiquei: na Europa, o continente mais evoluído do mundo, politicamente falando-se, todos os seus países o adotam, e em contrapartida, no nosso atrasadíssimo continente latino-americano, todos os seus países vivem sob a égide do regime presidencialista. 
    
Como a (ou o) referido internauta me disse que era possuidora de um site bastante visitado, quando menos esperava, fez-me a seguinte pergunta: Qual a diferença entre o regime presidencialista e o regime parlamentarista? A partir de então, lembrei-me da oportuníssima observação deixada pelo célebre Humberto Ego, qual seja: as nossas redes sociais estão permitindo que os imbecis estejam se prestando para imbecilizar a nossa população. Presentemente, mundo afora e muito especialmente no nosso país, com o pomposo nome de “fake News”, a mentira foi sendo industrializada e produzida em altíssimas escalas, e no que diz respeito à atividade política, em verdadeiras máquinas de assassinar reputações, ainda que suas vítimas sejam pessoas notoriamente dotadas das melhores qualificações. A propósito, o que parecia impensável já está acontecendo, no caso, a própria Operação Lava-Jato e seus principais expoentes, o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, vêem-se presentemente acusados de terem agido com parcialidade ao tempo em que a sociedade brasileira os  tinham na conta de paladinos da moralidade. 

Artigos Publicados

Veremos

Inacreditável

O tempo dirá

Inevitável

Vamos aos fatos