Colunistas

Votar é necessário

 Protestar, de forma efetiva, determina comparecer as urnas e não votar nos maus candidatos. 

Faltando apenas dois dias para escolhermos os prefeitos e os vereadores que comporão suas respectivas câmaras municipais, nos nossos 5.560 municípios, os eleitores precisam comparecer as urnas e não votar nos maus políticos. Esta sim é a forma que devemos protestar contra a presença dos maus políticos que estão instalados em postos relevantes da nossa estrutura de poder. Os eleitores que não votam só beneficiam os maus políticos.  

É neste particular que reside à importância do voto, sobretudo, do voto consciente. Entenda-se como consciente o voto do eleitor que mede e pesa a capacidade política, gerencial e moral de todos os candidatos, e a partir de então, decide votar nos candidatos que a sua própria consciência recomendar. Caso contrário, a qualidade da nossa democracia não melhorará.

Votar consciente é não se deixar levar por promessas enganosas, e menos ainda, pelos candidatos que tentarem fazer do seu voto uma mercadoria e tentarem comprá-lo. Destes, receba o que lhes for ofertado e passe-lhes o que costumo chamar de calote cívico, pois em assim procedendo, o eleitor não se acumplicia com o crime. 
Portanto nós, eleitores acreanos, não podemos e nem devemos abdicar do dever de votar. Reporto-me especialmente àqueles que se dizem dispostos a se ausentarem quando da escolha dos nossos futuros prefeitos e vereadores, e em todos os nossos 22 municípios. 

Eu já decidi em quem vou votar, seja para prefeito de nossa capital, Rio Branco, seja no candidato que gostaria de vê-lo compondo a nossa câmara de vereadores, mas não revelarei os seus nomes para não influir, sequer minimamente, na liberdade que cada eleitor deva dispor para decidir em quem deverá votar. Na minha visão escolhi os candidatos que os considerei mais capazes e os mais decentes, isto mesmo, porque a decência é um fator fundamental para quem pretenda nos representar. 

Sei mais ainda: que os próximos quatro anos serão os mais difíceis para os prefeitos que sagrarem-se vitoriosos nas eleições em curso, não apenas pelos estragos resultantes da Covid-19, sim e também, pelas mais variadas crises que já vínhamos enfrentando, entre elas, as gravíssimas fiscais dos municípios, dos nos estados e da nossa própria União.

 Volto a repetir: protestar é preciso, mais para sê-lo de forma eficaz basta que não votemos nos maus candidatos. Portanto, faça a sua escolha e vote consoante a sua consciência determinar, até porque, não voltar significa se acumpliciar com a velhacaria que tomou conta da nossa atividade política. Portanto, que prevaleça a política, boa e saudável.  

 

Artigos Publicados

Estímulos nocivos

Democracia em baixa

Medo

Mudança

Regra é regra