Colunistas

Liberdade

Erra quem trata a sua liberdade como se fosse um  direito absoluto e não respeita a dos outros?

   Quando os bichos decidiram elaborar uma constituição, de sorte a manter a paz entre eles, dois dos direitos se faziam presentes: o direito de ir e vir e o direito a vida. Após sua promulgação, sem tardança, as galinhas tiveram que recorrer à corte constitucional, porquanto as raposas estavam invadindo os galinheiros e as devorando. Para tanto, reivindicavam os direitos de suas próprias vidas. De pronto as raposas questionaram: como fica o nosso direito de ir e vir? Esta metáfora bem que se presta, para nós humanos, e vem revelar a inexistência de quem imagina que a liberdade é um valor absoluto.

   Tomando-se por base a nossa constituição, no seu artigo 5º e nas alíneas IX e X, o direito a livre manifestação do pensamento e o direito a honra e a imagem das pessoas se chocam. Portanto, hão que serem relativizados, quando não, arbitrados pela justiça. Do contrário os difamadores, os caluniadores e os infamantes, não encontrariam barreiras para suas perversões. Pior ainda, após o advento da internet, posto que, verdadeiras ou mentirosas, e as mentirosas, em particular, tem alcance rápido e planetário.

A seguir algumas expressões de autoria dos mais celebrados homens e mulheres de nossa história;

1 – De Abraham Lincoln: aqueles que negam a liberdade dos outros não a merecem para si mesmos.

2 – De Jean-Paul Sartre: ser-se livre não é fazermos aquilo que queremos, mas querer-se aquilo que se pode.

3 – De Friedrich Nietzsche: não há fatos eternos, como não há verdades absolutas.

   Pior do que não informar, é mal informar. No Brasil, recentemente, abundam os internautas que trabalham a soldo, e não raramente, alguns veículos de comunicação, a despeito de serem concessionários do puder público, ainda assim, vem agindo de forma claramente parcial, subvertendo o que deveria ser informado.   

   A mentira nunca esteve tão em moda no nosso país, particularmente, no nosso ambiente político. Até o sugestivo e pomposo nome de fake News já lhes foi atribuída. Sou favorável a liberdade de expressão e contra toda sorte de censura, conquanto se faça acompanhada da devida responsabilização. Informações anônimas não devem ser tornadas públicas, sobretudo quando agridem a honra e a imagem das pessoas.

   A liberdade de opinião encontra nas leis os seus próprios limites. Assim funciona nas melhores democracias do mundo e urge que o mesmo aconteça no nosso país.  Que viva a liberdade de expressão e que ninguém se sinta tolhido de expressar-se, logicamente, quando agindo dentro dos limites determinados pelas nossas leis. Liberdade sim, libertinagem, jamais.

Artigos Publicados

Regulamentação, sim

Bagunça partidária.

Governabilidade

Causa e efeito

O que dele restará?