Colunistas

Chega de pessimismo


O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade;  o otimista vê oportunidade em cada dificuldade.       
                                   
Por que nós, brasileiros, saímos do otimismo para o pessimismo, e vice-versa, em tão curto espaço de tempo? Tais mudanças de comportamentos ajudam a superar o nosso baixo astral? Neste sentido, vejamos alguns exemplos derivados da Olimpíada 2016 que recentemente patrocinamos;  
01 – Nos anos, meses e até mesmo nos últimos dias que antecederam a abertura da nossa Olimpíada, todos os prognósticos feitos sobre a nossa capacidade de realizá-la eram os piores possíveis, e ainda por cima, fartamente anunciados pelos nossos principais veículos de comunicação. 
02 – Ao invés de boas notícias, as más, tanto as que eram dirigidas para o nosso consumo interno quanto as que exportávamos davam conta que a nossa Olimpíada, desde que os gregos a criara, seriam um desastre.           
03 - A Zika, fartamente explorada, dava a entender a todos que aqui chegasse, seriam picados pelo mosquito que a transmite. Decerto, sua exploração contribuiu para a ausência de diversas personalidades cujas presenças teriam abrilhantado ainda mais a nossa Olimpíada. 
04 - Sobre terrorismo, parecia até que havíamos nos transformado num Iraque ou numa Síria, quando na verdade, a semente do terrorismo jamais teria condições de germinar em nosso solo.    
05 – Quando da chegada da primeira delegação estrangeira à nossa Vila Olímpica, uma declaração da chefa da delegação australiana, Kitty Chiller, dando conta que a referida vila não se encontrava em condições de abrigar os seus atletas, acabou ocupando os mais nobres espaços da nossa espalhafatosa imprensa. Paradoxalmente, em menos de 48 horas, ela mesma veio a público e cobriu de elogios as referidas instalações.  
Entretanto, nada se compara à guerra de gêneros que quase se estabelecera em nosso país, tendo as nossas duas seleções de futebol, a masculina e a feminina como objetos. Na visão predominante dos pessimistas, cujos prognósticos não avançam um palmo além dos seus narizes, em razão dos primeiros resultados obtidos pela nossa seleção feminina, diga-se de passagem, espetaculares, e dos não tão bons resultados obtidos pela nossa seleção masculina, Marta & Cia. Ltda subiria ao pódio com relativa facilidade, enquanto Neymar & Cia Ltda já poderiam se considerar como cartas fora do baralho. 
Paradoxalmente não foi preciso mais que 15 dias para ficar provado que àqueles que apregoaram o apocalipse da nossa seleção masculina de futebol estavam completamente equivocados e não menos equivocada foi às comparações feitas em relação ao que seria o desempenho da nossa seleção feminina.   
Conclusão: Diga não ao catastrofismo dos nossos pessimistas e não ao otimismo exagerado, até porque, o mundo que queremos não está para ser conquistado, e sim, para ser construído. 

 

Artigos Publicados

“Power of the peaple”

E agora José

Nem e nem

Responda-me

Sem contestação