Colunistas

Empolgado com vitória de Bocalom, Petecão lança candidatura ao governo

Um dia após a eleição de Tião Bocalom (PP) como novo prefeito de Rio Branco, o senador Sérgio Petecão (PSD), seu principal articulador político, lançou-se candidato ao governo do Acre. Claro que Petecão está empolgado com  a vitória de seu grupo político, liderado por ele, a senadora Mailza Gomes, presidente regional do PP e o deputado José Bestene, líder do PP na Assembleia Legislativa.

Petecão vai conversar com o ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales (MDB); com o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim e outras lideranças do interior. O vice-prefeito eleito de Cruzeiro do Sul, ex-deputado federal Henrique Afonso é do PSD e, portanto, aliado de Petecão, mas o senador sabe que não poderá contar com apoio da prefeitura cruzeirense, uma vez que o prefeito eleito Zequinha Lima é do PP e aliado do governador Gladson Cameli.

A aliança que elegeu o prefeito Tião Bocalom foi composta pelos três senadores acreanos, mas um deles, Marcio Bittar (MDB-AC) não integrará o grupo criado pelo senador Sérgio Petecão.  Bittar, apesar de alguns desencontros com Gladson Cameli durante a campanha, sobretudo em Cruzeiro do Sul, Brasileia e Sena Madureira, onde o governador apoiou candidatos opostos ao grupo do senador, ambos continuam afinados e estarão juntos no mesmo palanque, em 2022.

Muitos afirmam que eleição municipal nada tem a ver com a disputa governamental. Mas na prática, tem sim. Isso não quer dizer que o grupo que vence a prefeitura de Rio Branco é o grande favorito na disputa governamental, além da disputa pela vaga de senador. Não por acaso, a senadora Mailza Gomes (PP) estaria disposta a disputar a reeleição. Ela ajudou a eleger a cunha, Rosana Gome, como prefeita e Senador Guiomard e ampliou o número de vereadores em todos os municípios.

Por isso, também fortalecido nas urnas, o senador Sérgio Petecão começa a sonhar com o governo, mesmo sabendo que, para isso, terá que encarar o governador Gladson Cameli. O senador afirma que tudo vai depender da opinião dos outros aliados como o prefeito eleito Tião Bocalom, a senador a Mailza Gomes e o José Bestene. Ou seja, pelo que ele fala, o governador Gladson Cameli estaria fora de seus planos.

Situação complicada

Ao se lançar candidato ao governo, o senador Sérgio Petecão coloca em jogo os cargos que ele indicou na gestão estadual.  Ao que tudo indica, os ocupantes desses cargos deixarão o governo para compor a equipe do prefeito Tião Bocalom (PP).

Equilibrar

Governador Gladson Cameli vai equilibrar os espaços dos partidos aliados. Nesse processo, os partidos que têm muitos cargos, vão perder espaço para outros. Não sabemos quais os critérios que serão adotados nesse sentido, se o desempenho desse partidos nas eleições municipais ou o que conseguiram fazer em 2018.

Vai compor

Tudo nos leva a acreditar que o PSDB vai integrar a base aliado na Câmara de Rio Branco. Do ponto de vista eleitoral, os tucanos apoiaram Bocalom no segundo turno. O mesmo comportamento deverá ser seguindo pela bancada tucana na Câmara de Rio Branco.

Samir e Lene

Vereador eleito Samir Bestene (PP) e a vereadora reeleita Lene Petecão (PSD) manifestaram deseja de presidir a Câmara de Rio Branco. A revelação foi feita durante reunião dos vereadores com o prefeito eleito Tião Bocalom (PP), na manhã desta quarta-feira, 02, na sede da Associação dos Municípios dos Acre (Amac).

Reação

Vereadores de outros partidos que apoiaram Bocalom, no segundo turno, afirmam que as bancadas que Samir não poderia ser presidente por integrar o PP, partido do prefeito. Outros alegam que Lene, por ser do PSD, partido da vice-prefeita Marfisa Galvão, deveria abrir mão em nome do equilíbrio de forças na aliança.  

Corre por fora

Além disso, o vereador nogueira Lima (PP) corre por fora. O vereador alega que é o mais velho na Câmara e vai para o segundo mandato.  A bancada do MDB estaria de olho na primeira-secretaria. O mesmo cargo que seria cobiçado pela bancada do PDT que, mesmo tendo apoiado a prefeita Socorro Neri apoia o governador Gladson Cameli que está de volta ao PP.

Também quer

O PSDB, do vice-governador Wherles Rocha, deverá lutar por cargo na nova mesa diretora. Na verdade, Bocalom terá alguns problemas antes mesmo de ser diplomado e tomar posse como prefeito. A não ser que ele ignore a disputa eleitoral na câmara.

Prejudicial

O tal Comitê de Prevenção e Combate à Covid-19, instituído pelo governo estadual foi um dos responsáveis pelo insucesso da prefeita Socorro Neri (PSB), na luta pela reeleição.  O comitê fechou comercio, lacou igreja e proibiu as pessoas de lutarem pela própria sobrevivência. Quanta crueldade!

Queda e coice

A prefeita Socorro Neri perdeu muitos votos por ser acusada de aliança com os partidos de esquerda e ser o nome escolhido pelo governador Gladson Cameli.   Enquanto isso, viu muita gente do PT votar e declarar voto em Bocalom e muitos gestores do governo trabalhando contra a sua reeleição.

Transição

Prefeita Socorro Neri (PSB) instituiu na terça-feira, 01, a Comissão Especial de Transição de Mandato no Poder Executivo com atribuição de organizar as informações da atual gestão municipal. No domingo, 29, alguns minutos, após divulgação do resultado oficial da disputa eleitoral, Socorro Neri anunciou, por meio de nota pública, que iniciaria o processo de transição.

Celeridade

A prefeita destaca que, apesar do Tribunal de Contas do Estado (TCE) ainda não ter emitido o ato com o disciplinamento para o processo de transmissão de cargo, a atipicidade do pleito eleitoral deste ano torna necessário dar celeridade ao processo de transição, já que Bocalom e a sua equipe terão menos de um mês para conhecer a máquina pública.

Nove integrantes

O prefeito eleito, Tião Bocalom (PP) indicou nove pessoas para compor a comissão de transição. Eles terão acesso às informações sobre o funcionamento dos órgãos e entidades da administração direta e indireta do Município, às contas públicas e aos programas e projetos da gestão.

Escalção

Os nove componentes da comissão de transição: Artur Liborino Neto (gestor público), Antônio Cid Ferreira (contador), Marcus Lucena (administrador), Valtim Silva (gestor público), Francisco Lima (administrador), Eracides Souza (agropecuarista), Joabe Queiroz (bacharel em Direito), Ailton Oliveira (jornalista) e Alcione da Silva (licenciada em Matemática).

Gestão atual

Da gestão da prefeita Socorro Neri (PSB), compõem a comissão cinco pessoas: Márcio Oliveira (secretário da Casa Civil – presidente da Comissão), Janete Santos (secretária de Planejamento), Sâmya Gouveia (secretária de Finanças), Ada Derze (Controladora-Geral do Município) e Raquel Eline Albuquerque (Procuradora-Geral do Município).

Artigos Publicados

O saldo positivo da vinda de Bolsonaro ao Acre

Comitê mantém Acre na bandeira vermelha