Comparar Marina a Collor é 'desinteligente', diz senador petista

 

Na lista de "pessoas do bem" com quem a candidata do PSB, Marina Silva, pretende governar, provavelmente figura o nome do senador petista Jorge Viana (AC).

Amigos há pouco mais três décadas, foram os principais nomes do PT no Acre, governado pelo partido há quase 16 anos. Jorge Viana se tornou o primeiro petista a vencer a Prefeitura de Rio Branco (1993-97) e o governo estadual (1999-2007). Marina repetiu a façanha como vereadora na capital acreana (1989-90) e senadora (1995-2011).

Nesta entrevista à Folha gravada em Rio Branco, Viana, 54, afirma que a comparação feita entre Marina e o ex-presidente Fernando Collor (1990-92) feita pela campanha petista é "desinteligente" e explicou por que assinou a petição para criar a Rede Sustentabilidade.

Por outro lado, o atual vice-presidente do Senado criticou o plano de governo de Marina e questionou a governabilidade de um eventual governo da ex-petista.

Entrevista com o senador do PT do Acre Jorge Viana, que foi aliado politico de Marina Silva

Leia trechos da entrevista:

Folha – Como enfrentar Marina

Jorge Viana – O PT, todos nós, no fundo conhecemos bem a Marina. Foi uma convivência de 30 anos dentro do PT. Isso dificulta as coisas. Porque tem um pouco de sentimento, a política não pode matar as relações de amizade, as relações afetivas. Eu sigo tendo muito carinho e respeito pela Marina e lamento que ela tenha saído do PT.

Sobre esse enfrentamento, não pode ser feito de uma maneira convencional. Marina não é uma candidata convencional. Essa ideia de tentar comparar a Marina a Collor, a Jânio Quadros, é desinteligente. Ou de querer buscar desvio ético e moral na vida da Marina, isso também é perda de tempo e não tem nenhum sentido. Agora, [é preciso] fazer o enfrentamento político, discutir a consistência dos propósitos dela, das ideias dela, questionar a incoerência.

Programa de governo

A primeira grande contradição na candidatura da Marina é o programa de governo. É uma soma de ideias do PSB, um partido de esquerda convencional, com a Rede Sustentabilidade, aí sim, um partido que traz inovações, que traz um oxigênio pra política brasileira, independente de concordar ou não com ele.

É uma colcha de retalhos, traz contradições. Cada um fez num lugar, pra um governo diferente, e depois juntaram num documento só. Isso não dá certo, ninguém pode governar o país com tantas incoerências.

A Marina vai ter de botar as ideias dela claramente sobre energia, modelos de desenvolvimento, economia. Temos o nosso governo, o nosso legado, e ela tem as propostas novas. Aí sim dá um debate interessante, porque ela era parte do nosso governo e agora quer fazer algo.

A Marina é uma pessoa encantadora, mas acho que a maior dificuldade dela é na hora do encontro do encantamento com a realidade real, porque, pra governar o Brasil tem que estar sempre sonhando, mas a realidade real tem que estar ali, bem presente.

Campanha petista

A gente tem de contar muito mais a história do país mudado e das pessoas que mudaram suas vidas neste período de governo do que a prestação de contas numérica. E a Marina trabalha muito com os sentimentos, com os sonhos, e o PT sempre trabalhou com sonhos e o sentimento das pessoas. Fazer campanha pro PT sempre foi uma coisa alegre, emocionante. Eu acho que a Marina entrando, ela vai nos empurrar pra algo que a gente está precisando reencontrar.

Apoio à Rede

Eu mesmo dei apoio lá no Congresso, me diferenciei dentro do PT dando apoio à criação da Rede. Tinha alguns companheiros do PT que estavam contra, mas falei que foi criada uma série de partidos cartoriais, desses que não colaboram em nada pra melhorar a política no Brasil. Vem um que traz inovação, traz uma base social forte, uma liderança forte, e eu vou ficar contra?

Não é porque a Marina saiu do PT que agora a gente vai [dizer que não tem mais qualidade]. Acho isso um erro, a pessoa passou a vida inteira com a gente, e agora tem todos os defeitos? Antes tinha todas as qualidades.

Governabilidade

No Brasil, quem governa tem uma dependência muito grande do Congresso. E como ficaria num eventual governo da Marina? O Lula teve muita dificuldade no primeiro mandato, depois fez um governo de coalizão. A Dilma também fez.

Eu gostaria de ver como a Marina vai resolver isso. Onde ela vai buscar governabilidade? Na sociedade? A sociedade não vota lá dentro do Congresso.

 

Religião

A Marina mistura vida e religião,e eu acho isso bom, ela é uma mulher de muita fé. Foi católica fervorosa e é uma evangélica fervorosa. Sou cristão, não vejo nisso um defeito, vejo qualidade.

O único defeito é quando realmente a opção religiosa deixa de ser uma opção pessoal e passa a ser algo que interfere numa sociedade, acho isso um atraso. Tomara que o Brasil siga sendo um país cosmopolita, que respeita as opções religiosas e os que não têm religião.

Apoio a um governo Marina

A nossa candidata a presidente está muito bem nas pesquisas. Não tem sentido fazer uma especulação nesse sentido. Nós estamos numa fase ainda no primeiro turno de uma eleição, uma eleição que o segundo turno veio pro primeiro e provavelmente o segundo turno vai ser o terceiro dessa eleição. Temos de fazer alguns ajustes finos pra tentar ganhar e ser merecedor do quarto mandato.

 

Diferenças entre Marina e o PT

Tem uma diferença grande do governo do PT para o que a Marina está propondo. O nosso país ainda precisa por mais tempo de um governo forte. Por exemplo, eu não acho nada viável a ideia de ter um Banco Central independente num país como o nosso. Nosso país ainda é muito desigual, ainda tem uma diferença muito grande entre quem tem e quem não tem. Essa tese da Marina é um grande equívoco. O Estado tem que ser mais eficiente, não diminuído. 

(Folha de S. Paulo)