Agentes penitenciários protestam na Aleac por segurança e melhores condições de trabalho

Wanglézio Braga

Enquanto a mensagem governamental era lida no plenário da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), centenas de agentes penitenciários realizaram um protesto no Hall de entrada da Casa de Leis na manhã dessa terça-feira, 03. Eles levaram um caixão representando as mortes dos agentes assassinados e pediam mais segurança na execução dos seus trabalhos nas cadeias públicas do estado.

Na ocasião, o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Acre (AGEPEN) informou que foi criada uma equipe para fazer rondas nas casas dos servidores que estão de folga bem como daqueles que estão saindo ou entrando nos presídios para trabalhar.

O trabalho dos agentes vai se estender aos pavilhões. Segundo o presidente, os agentes com porte de armas e aqueles legalizados perante a justiça são convidados a participar desse ato. “Todo servidor público que tiver a prerrogativa de porte de arma voluntariamente estamos de cinco em cinco visitante as casas desses servidores. Na entrada e na saída dos serviços faremos essa rotina de escolta no deslocamento casa/trabalho”, disse.

Além da insegurança no trabalho, os agentes falaram comentaram sobre a situação da superlotação nos presídios. “Atualmente existem mais de 4 mil e 300 presos nos presídios do Acre. Nós queremos soluções energéticas para resolver esse problema, além de pedir material de apoio para revistas como um scanner que possibilita agilidade e coíbe o tráfico de drogas”, enfatizou.

Os servidores, vestidos de preto levaram um caixão como símbolo de luto e ainda rezaram um “pai nosso” pedindo aos céus mais proteção e segurança. Após a oração, eles entraram na Aleac com objetivo de serem recebidos pelos parlamentares.

Uma comissão formada por deputados foi criada para receber os agentes. A reunião, que aconteceu após a sessão especial de abertura dos trabalhos legislativos, durou 40 minutos.  

O presidente da Mesa Diretora, deputado Ney Amorim (PT) disse que fez encaminhamentos e marcou uma reunião com o secretário de Segurança Pública. “Fizemos um encaminhamento junto com os agentes de sentar com, ainda hoje, com o Secretário de Segurança Pública para saber o que está sendo feito, o que pode ser feito e dar apoio aos agentes“, disse Ney Amorim comentando que a reunião aconteceu com 12 deputados tendo em vista que as comissões ainda não foram definidas.

Em menos de um mês dois agentes penitenciários foram assassinados no Acre. O primeiro caso aconteceu na última semana de janeiro onde o agente Edmilson da Silva Freire, 42, foi assassinado com três tiros no banheiro de sua casa. O outro crime aconteceu na noite dessa segunda-feira, 02, quando o agente Anderson Albuquerque Guimarães, 25 anos, recebeu 10 tiros enquanto chegava à sua casa no bairro da paz. 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.