Marina enxerga crime de responsabilidade na forma como foi criado novo protocolo para uso de cloroquina

Por Wanglézio Braga

Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (20) o protocolo que libera no Sistema Único de Saúde (SUS) o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina até para casos leves de Covid-19. Até então, o protocolo previa os remédios para casos graves. O protocolo da cloroquina foi motivo de atrito entre Bolsonaro e os últimos dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Em menos de um mês, os dois deixaram o governo.

Do lado de fora do Governo, a ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora do Acre, Marina Silva (REDE) acredita que Bolsonaro pode responder por crime de responsabilidade tendo em vista que a alteração do protocolo que libera o medicamento SUS não seguiu a um consentimento e nem as regras essenciais.

“Se isso não é crime de responsabilidade contra a saúde pública o que mais poderia ser?”, questionou acrescentando “Apesar de todas as preocupações médicas, da ausência de comprovação científica e da afirmação da sua ineficácia pela OMS, o governo decidiu criar um protocolo de altíssimo risco e gravidade para aplicação da cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes em todos os casos, inclusive os com sintomas leves, para tratar do novo coronavírus. O presidente sem nenhum apreço responsável pela vida diz “pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado”. O mesmo presidente que considerou a covid-19 uma gripezinha, agora se vê na condição de receitar medicamentos”.

Por fim, Marina diz “O protocolo exige a assinatura de um termo de consentimento, transferindo responsabilidades médicas para o próprio paciente, salientando que não há, até o momento, estudos demonstrando melhora clínica dos pacientes com covid-19 quando tratados com hidroxicloroquina”.

Vale lembrar quer o novo documento foi publicado no momento em que o ministério é comandado interinamente pelo general Eduardo Pazuello, especialista em logística. 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.