Petista Daniel Zen aparenta incômodo com a filiação de Minoru Kinpara no PSDB

Por Wanglézio Braga

O deputado, Daniel Zen (PT), anda descontente com a filiação do ex-petista e membro da Rede Sustentabilidade, Minoru Kinpara, ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em rede social, Zen chegou a questionar o motivo da escolha do ex-reitor da Universidade Federal do Acre (UFAC) em pedir filiação ao grupo dos tucanos. Na postagem de hoje (20), o parlamentar enumera alguns posicionamentos do PSDB sobre as universidades brasileiras.

“Não tenho nada a ver com a vida alheia, muito menos com a orientação política de quem quer que seja. Mas, vejamos: No Governo FHC, todos lembram da situação de sucateamento das universidades federais. O PSDB, defensor do liberalismo, sempre arrastou uma asa para o ensino superior privado. O PSDB votou em peso na PEC do Teto (EC n° 95/2016) que tá destruindo o ensino público... Fora isso, o PSDB, um defensor xiita da política de austeridade fiscal, apoiou os cortes e contingenciamentos da dupla Bolsonaro/Weintraub para as universidades e institutos federais”, escreveu Zen.

Em seguida, apresentando total incomodo com os caminhos políticos escolhidos por Minoru Kinpara, Daniel Zen questiona como um ex-presidente do PT no Acre teria coragem para migrar ao PSDB.

“Minha pergunta é: como uma pessoa que foi presidente do Diretório Regional do PT/AC, candidato ao Senado da República pela REDE Sustentabilidade e se notabilizou politicamente sendo reitor da Universidade Federal do Acre (Ufac) se filia a um partido político assim?”, questionou.

FESTA NO NINHO TUCANO

A diretoria do PSDB promete uma festa grandiosa para a filiação do professor Kinpara. A solenidade acontece neste sábado (21) a partir das 8h30mim no Hotel Terra Verde, centro de Rio Branco. A carta de filiação à agremiação será recebida por dirigentes do partido na presença de figuras importantes como da deputada federal, Mara Rocha, que é considerada uma das interlocutoras entre o ninho tucano e ex-reitor. Também deve comparecer o vice-governador, Gladson Cameli. 

Desde as últimas eleições, Kinpara vem sendo assediado por grupos políticos e novos partidos. Além de sua trajetória na Universidade, ele obteve sem muito esforço 112.989 mil votos, mas não conseguiu uma vaga de senador da república pelo Acre.