O Rio Branco

Hoje é 26 de Setembro de 2017

Política

Jorge Viana participa de ato com artistas e parlamentares em defesa da Amazônia

13 de Setembro de 2017 às 07:34:18

O senador Jorge Viana (PT-AC) participou nesta terça-feira (12), no Congresso Nacional, de um ato em defesa da Amazônia. O evento reuniu artistas, parlamentares, representantes de grupos indígenas e entidades de proteção ao meio ambiente. Os manifestantes entregaram aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) um abaixo assinado com mais de 1,5 milhão de assinaturas colhidas na campanha “Todos pela Amazônia”.

O principal objetivo do ato é o pedido de revogação do decreto assinado pelo presidente Michel Temer que extingue a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca), localizada entre os estados do Amapá e do Pará. As reivindicações incluem ainda outras medidas propostas pelo atual governo e pelo Congresso, como a flexibilização das regras de mineração, o desmonte do licenciamento ambiental, a redução das áreas protegidas, a liberação de agrotóxicos, a facilitação da grilagem de terras, o desmonte da Funai e a venda de terras para estrangeiros.

“Representamos milhares de brasileiros que uniram suas vozes para dizer que não aceitaremos a destruição da floresta e nem os ataques aos direitos dos povos indígenas e populações tradicionais”, destacou Viana. Entre os artistas que participaram da manifestação no salão verde da Câmara estavam os atores Alessandra Negrini, Luiz Fernando Guimarães, Christiane Torloni, Susana Vieira e Arlete Sales, os cantores Maria Gadú, Tico Santa Cruz e Rappin Hood e a produtora cultural Paula Lavigne.

No plenário do Senado, Jorge Viana apresentou um requerimento à Mesa Diretora solicitando uma sessão de debate temático no plenário para discutir o impacto da extinção da Renca. “A ideia é discutir essa medida insana sobre as populações tradicionais, sobre os povos indígenas e sobre o meio ambiente. Nesta reserva estão presentes nove áreas protegidas, três Unidades de Conservação de Proteção Integral, quatro Unidades de Conservação de Uso Sustentável e duas terras indígena. Com a edição desse decreto, põe-se em risco não apenas essas unidades, mas todas as Unidades de Conservação da Amazônia”, alertou.

 

 

 




Compartilhar