Bestene afirma que secretária de Saúde cria clima de terror ao trazer coronéis

Antonio Muniz

Deputado José Bestene (PP) afirmou, nesta terça-feira que a secretária de Saúde, médica  Mônica Feres criou clima de terror ao convidar coronéis para exercer cargos estratégicos na Sesacre. "Os servidores estão apavorados", afirma o parlamentar.

Além disso, segundo o deputado, a secretária omite a verdade ao governador Gladson Cameli (PP) ao falar sobre o funcionamento do Sistema Único de Saúde  (SUS). O deputado diz que a verdade precisa e deve ser restabelecida. 

Segundo o deputado, um “grupo de parasitas” criado recentemente, tenta agastá-lo do governador. “Mas eles não vão conseguir”, afirma o deputado.

Bestene também denunciou manobra da secretária para esvaziar a Fundação Hospitalar do Acre (Fundhacre) e prejudicar o trabalho do presidente da unidade de saúde, Lúcio Brasil.

Segundo informações, a primeira investida foi um ato administrativo no qual a secretaria retirou os anestesistas. Depois retirou os ortopedistas. Mônica também  tramou a demissão de Lúcio Brasil, mas não consegui.

Mônica alega ter repassado R$ 3 milhões à Fundhacre. Bestene contesta afirmando que os recursos são da própria fundação e que a Sesacre apenas tem o dever de fazer o repasse que, na verdade, segundo ele, é bem maior.

Repondo a verdade

 Bestene afinou que vai conversar com o governador Gladson Cameli e repor a verdade sobre o que está ao ocorrer na Sesacre. 

Segundo Bestene, a secretária está mexendo na estrutura de atendimento do SUS e vai causar sérias consequências.

As manobras, segundo o deputado, causou enorme   prejuízo à Fundacre por ser uma unidade hospitalar de alta complexidade. “O maior prejudicado é o povo acreano”, afirma.