Magalhães critica desabastecimento de água e assessor do Governo acusa ex-gestor de fazer terrorismo

  Por Wanglézio Braga

O deputado Edvaldo Magalhães usou as redes sociais para alfinetar o Governo de Gladson Cameli, do PP, sobre o corte no fornecimento de água no município de Marechal Thaumaturgo. Na semana passada, os moradores fizeram um protesto onde denunciaram que há 12 dias não caia água nas torneiras e aproveitaram para colocar caixas d’água no meio da rua.

“No bairro onde as fotos foram tiradas, o DEPASA não distribui água há mais de 12 dias. A população clama pelo restabelecimento do abastecimento que, segundo informações obtidas pelos municípios , não está ocorrendo por falta de produto químico. Nada faz mais falta em uma residência e para uma família que água tratada”, escreveu.

Não demorou muito e um assessor lotado na Secretaria de Estado de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano (Seinfra) respondeu o parlamentar com uma resposta atravessada e ainda colocou a culpa da interrupção no próprio deputado que foi gestor do Depasa no Governo de Tião Viana.

“Esse caos foi criado por vc Edvaldo Magalhães, vc ficou por anos no Depasa, e nunca resolveu, e agora com 4 meses de governo Gladson Cameli, vcs vem fazer terrorismo.... vamos aguardar a CPI do Depasa”, respondeu o comissionado da SEINFRA, Weber Gonçalves.

Em contato na manhã de hoje (13) com o Governo, nossa equipe foi informada que o problema foi resolvido neste final de semana. A comunicação estadista exaltou que a atual gestão recebeu o DEPASA com vários problemas e que as constantes quedas de energia também vêm contribuindo para que as bombas que captam a água fiquem inoperantes.

“Na realidade não foi uma questão com produto químico. Nós resolvemos isso, nos últimos meses, tendo em vista que pegamos o Depasa com problemas junto aos fornecedores. Mais no caso de Marechal Thaumaturgo foi uma bomba que apresentou problemas e demorou alguns dias para a manutenção. Nós fizemos os ajustes neste final de semana e normalizamos os serviços na cidade. Acredito que resolveremos definitivamente essa situação com a inauguração de uma ETA que falta pouco para ser inaugurada”, esclareceu Enoque Pereira, da assessoria de planejamento estratégico do DEPASA. 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.