Prefeita tem pouco tempo para tomar decisão e montar aliança para buscar a reeleição

Antonio Muniz

Após se destacar como a melhor prefeita da Região Norte e a terceira colocada em nível nacional, a prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB), vive momento de decisão do ponto de vista político, afinal, em outubro teremos eleição e a campanha já começou.

Do ponto de vista administrativo, a prefeita faz uma gestão inquestionável. Claro que ela não resolveu e nem vai conseguir revolver todos problemas de Rio Branco, afinal, pegou o bonde andando e teve que fazer alguns ajustes na máquina pública, mas tem agido com eficiência e decência.

Na verdade, Socorro nem decidir se será ou não candidata à reeleição, cumprindo o que falou ao tomar posse, em abril de 2018, que só falaria em sucessão a parir de janeiro deste ano. “Eu não misturo gestão pública, com ação politica”, afirma a prefeita.

Do ponto de vista ético, é algo plausível  e raro nos dias atuais. Mas tal fato, isso em alguns casos, pode prejudicar o lado político. Os aliados da prefeita percebem isso e começam a pressioná-la a tomar duas decisões: confirmar sua pré-candidatura e  montar um grupo político.

O presidente regional do PSD, senador Sérgio Petecão, tido pela prefeita como o grande amigo da Prefeitura de Rio Branco, tem dito, reiteradas vezes, que a prefeita é assediada por todos os partidos.

Ainda segundo Petecão, o assédio politico não ocorre apenas pelo bom trabalho feito por Socorre, mas sobretudo pelo seu comportamento ético e moral. “Eu goto do comportamento moral e ético da prefeita. Por isso, tenho me esforçado para audá-la”, afirma  Petecão.  

A prefeita tem três caminhos a seguir para conseguir sua reeleição: aliança com o PSD de Sérgio Petecão, continuar a aliança com o PT, PC do B e outros partidos da extinta Frente Popular ou montar uma aliança alternativa sem Petecão, PT e PC do B. 

Há quem diga que o PT prefere apoiar a reeleição de Socorro Neri a arriscar lançar um candidato próprio, enfrentando a estrutura da prefeitura e a governo estadual, uma vez que o governador Gladson Cameli (PP) também apoiará um candidato, seja no primeiro ou no segundo turno.

Portanto, ao ensaiar candidatura, o PT estaria a pressionar a prefeita a tomar a decisão e montar o quanto antes uma aliança com o que restou da Frente Popular do Acre. A direção nacional do PT recomenda lançamento de candidatura própria, mas os petistas acreanos estariam indecisos.

Cientes de que não terão apoio da´refeita e tampouco do governador, tanto o e-senador Jorge Viana, quanto o ex-deputado federal Raimundo Angelim, que também já foram prefeitos, estariam dispostos a encarar o desafio.

Bom para o deputado Daniel Zeen, uma das novas liderança petistas. Apesar de ser um defensor da reeleição de Socorro Neri, tendo um petista como candidato a vice, Zeen estaria disposto a encarar o desafio, mesmo sabendo que as condições são adversas. Com mais dois anos de mandato, o deputado nada tem a perder.    


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.