Petecão afirma que Gladson não poderia ter permitido ataque contra um um aliado

Antonio Muniz

Senador Sérgio Petecão (PSD-AC) afirmou, nesta quinta-feira, 12, que o governador Gladson Cameli (P) não poderia ter permitido esse confronto entre ele e a cúpula da Segurança Pública. "Eu não sou oposição, sou governo e falei sobre algo que é público e notório. Não tendo como me contestar, preferiram me atacar gratuitamente", afirmou.

Na semana passada, o senador usou suas redes sociais para relator o clima de insegurança existente em Rio Branco a forte onda de criminalidade e a falta de segurança nos bairros.

O senador reiterou que faz parte do governo Gladson Cameli (PP). Por isso, segundo ele, não tinha necessidade de uma nota ser emitida pela Secretaria de Segurança Pública com críticas à sua atuação como senador, simplesmente pelo fato de ter mencionado o que a população tem comentado diariamente.

Segundo Petecão, a questão da insegurança não é culpa do governo Gladson Cameli, mas sim das gestões petistas que comandaram o Acre por longos 20 anos. “É um problema que vem se arrastando há muitos anos e, por melhor que seja o governo, não dá para mudar essa situação em menos de um ano”, afirmou.

Petecão classificou a atitude da Secretaria de Segurança Pública como um ao de total “idiotice”.   E acrescentou: “ Iniciaram um debate onde todos nós estamos perdendo. Nós porque eu também sou governo”.

Para o senador, a nota publicada pela Cúpula da Segurança Pública não tem lógica.  Ao ser questionado se sua posição tem relação com as próximas eleições, Petecão afirmou que  não, pois não pretende ser candidato a vereador nem a prefeito.

Nada a ver com o vice-governador

Petecão descartou possibilidade de o vice-governador Wherles Rocha ter alguma relação com a nota pública emitida pela cúpula de Segurança. Segundo o senador, além da parceria política, segundo ele, foi um dos influenciadores diretos para escolha de Rocha ao governo.

“É um governo que ajudei a eleger. Têm que ter humildade para quando errar assumir, pegar as críticas e melhorar”. O senador diz que torce e irá continuar trabalhando para o governo Gladson dar certo. “Mas, não posso ficar de boca calada. Da forma que me expressei, esse tipo de agressão foi desproporcional e o Gladson não pode deixar isso acontecer”, ressalta.

O senador afirmou que, ao contrário do que a afirma a cúpula do governo, na nota, ele sempre ajudou a área da Segurança Pública. pública alegando que ele, enquanto parlamentar, “Ainda tem R$ 7 milhões pra serem licitados. Isso é incompetência. Precisa melhorar a estrutura, a equipe”, disse.