Votação da LDO estaria condicionada à demissão de Ribamar Trindade

Da redação

A rediscussão e aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias deste ano, a LDO-2020, segundo fontes do Palácio Rio Branco, estaria condicionada à demissão do secretário de Gabinete Civil, Ribamar Trindade.

Como o secretário teve sua saída confirmada na tarde desta terça-feira, 24 horas depois o governador Gladson Cameli deve se reunir com a base aliada na Assembléia Legislativa do Acre (Aleac). O encontro será realizado no Palácio Branco.

Com Ribamar longe do governo, Gladson volta a ter total apoio da base governista e poderá reverter o quadro no voto, embora a oposição, liderada pelo vice-presidente da Aleac, deputado Jenilson Leite (PSB) questionar a legitimidade e a legalidade do processo de reversão.

O novo secretário de ações estratégicas, Thiago Caetano, que se reuniu com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Nicolau Junior (PP). O governador quer paciência, e normalidade na nova fase de relação política que se inicia sem o Ribamar na Casa Civil.

Por falta de articulação política no período em que a LDO era discutida na Aleac, a matéria acabou sendo rejeitada. Agora, com apóio dos deputados governistas, Gladson tenta reverter o quadro.

O governo tem pressa pelo fato de ter, legalmente, como abrir o orçamento. O problema se agrava pelo fato de a maioria dos parlamentares se encontrar em viagem, já que  Aleac ainda viver recesso parlamentar. O líder do governo Gehlen Diniz e a maioria dos membros mesa diretora também esta viajando.