Governo do Estado forma 219 novos membros da Polícia Civil

 

 

 

Num momento histórico para a Polícia Civil do Acre, o governo do Estado realizou na manhã desta sexta-feira, 8, a formatura de 207 novos agentes e 12 novos escrivães, totalizando 219 novos policiais. A solenidade de formação foi no Teatro Plácido de Castro, com a presença de autoridades e familiares, ocasião em que os novos profissionais puderam citar seu juramento de comprometimento com a segurança pública do Acre.

O secretário de Polícia Civil, Emylson Farias, reforçou como a instituição é uma das que mais gera orgulho ao Estado, inclusive tendo hoje o posto de polícia que mais elucida crimes contra a vida no país. “Antes um perito nosso tinha que contar as facadas numa vítima de assassinato, hoje temos um scanner 3D israelense. Saímos de 70 quilos de apreensão de drogas para toneladas anualmente. Vocês são promotores de respeito, agentes da lei e espelhos da sociedade. Em pouco tempo estarão com a Polícia Civil incrustada em seus corações”, disse Emylson.

Os 219 policiais formados foram aprovados em concurso público do Estado, no qual se inscreveram 20,5 mil pessoas. A formação dos novos policiais ocorreu no Centro Integrado de Ensino e Pesquisa em Segurança Pública e Justiça Francisco Mangabeira (CIEPS), de 15 de fevereiro a 30 de junho deste ano, num total de 1.200 horas-aula. Agora os agentes entram imediatamente em ação e serão distribuídos em todas as regionais.

Ovacionado pelos próprios agentes, o coordenador do curso, delegado Silvano Rabelo, reafirmou o compromisso de coragem e ainda assim espírito humanizador que um policial civil deve ter. “O trabalho de cada um de vocês será o de dar suma importância para o andamento da justiça. Dediquem-se ao máximo, porque é isso que a sociedade espera de vocês”, disse o delegado, que recebeu ainda uma homenagem dos formandos.

É papel de um policial civil o exercício da segurança para a preservação da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do patrimônio. Kiciane Araújo é uma dessas novas agentes. Orgulhosa de si mesmo e da turma com quem se forma, ela explica que o compromisso agora é maior do que qualquer outro sentimento. “Foi um treinamento difícil. Acordamos cedo e chegávamos em casa só no mais tardar. Trabalhamos até no suporte à população durante a alagação do Rio Acre. Fico muito feliz por ter chegado aqui”, conta Kiciane.

 

Assessoria