O Rio Branco

Hoje é 21 de Novembro de 2017

Policial

Incêndio destrói sede da Seaprof em Marechal Thaumaturgo

30 de Janeiro de 2017 às 15:20:07

Na madrugada do último domingo, 29, um incêndio destruiu por completo o prédio onde funcionava a sede da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) em Marechal Thaumaturgo.

Até o momento não há informações sobre o que teria provocado o início das chamas. O que já se sabe são os prejuízos causados pelo fogo. Toda a documentação do escritório referente às atividades da produção familiar no município foi perdida.

Além do prejuízo com o histórico do cadastro de produtores rurais e as informações das ações desenvolvidas pelo escritório de Marechal Thaumaturgo, os prejuízos materiais são consideráveis.

Todos os móveis como mesas e cadeiras, e equipamentos como computadores, notebooks, ar condicionado e bebedouro foram destruídos pelo fogo.  “Estamos sem realizar atendimento aos produtores, já que não sobrou nada. Ainda estamos calculando os valores, mas se perdeu tudo que havia nas instalações”, destaca Arlen Lima, chefe do escritório da Seaprof no município.

Equipamentos de agroindústria também são destruídos pelo fogo

Outro prejuízo provocado pelo incêndio foi a destruição de parte do maquinário da agroindústria de frutas que vai ser instalada em Marechal Thaumaturgo e que estava armazenada no escritório.

Os equipamentos destruídos são considerados os mais importantes para o funcionamento de uma agroindústria: um sistema que gela água para pasteurização e resfriamento, um conjunto de máquina embaladeira pneumática e um pasteurizador tubular, um motor a diesel e uma carreta basculante para microtrator, que juntos custaram mais de 175 mil reais.

O chefe da unidade afirma que registrou um boletim de ocorrência na delegacia local, que investiga as causas do incêndio. “Não podemos afirmar que o incêndio tenha sido criminoso. O que sabemos é que o fogo começou na parte da frente do prédio. A Polícia Civil já está apurando e vamos aguardar o resultado da investigação”, destaca Arlen.

Agência




Compartilhar