Vídeo mostra casal arrombando carros na Cohab do Bosque e deixam moradores desesperados

Da redação

Os moradores da Cohab do Bosque não sabem mais a quem recorrer por conta da insegurança que predomina na comunidade. Os moradores relatam que vivem com medo com os constantes assaltos a mão armada, arrombamentos de casas e principalmente de veículos. Nessa semana, uma câmera registrou um casal agindo na região do Conjunto Guiomard Santos em mais um crime contra o patrimônio.

Nas imagens é possível ver duas pessoas chegando de motocicleta na Rua Menderson, uma das principais ruas que dá acesso ao Círculo Militar, área militar, e vasculhando os carros que estavam estacionados no local procurando pertences valiosos. Por conta da qualidade da imagem da câmera não é possível ver a placa da moto. Mas, ela conseguiu registrar parte do crime contra o patrimônio inclusive quando a dupla quebrou o vidro de um veículo.

O carro arrobando pertence a uma funcionária pública, que não identificaremos, e que mora na região. Ela informou que os ladrões levaram alguns pertences como uma mochila com documentos, roupas e outros objetos. Ela informou que foi até a Delegacia para fazer um Boletim de Ocorrência (BO) mais houve paralisação na Polícia Civil e não foi possível registrar uma queixa. Ela disse ainda à reportagem do Portal o Rio Branco que já foi assalta duas vezes e só nesta semana ouviu relatos de pelo menos cinco assaltos ocorridos em plena luz do dia, na principal avenida do bairro a Jephete Maia.  

“Ninguém sabe a quem recorrer. Todo dia tem assalto nas principais ruas da Cohab do Bosque, são bandidos de moto, de bicicleta, de carro e até a pé. Ontem mesmo uma professora foi assaltada na saída da escola, dois homens de bicicleta anunciaram o assalto, ela gritou e eles saíram, mesmo assim mais lá na frente assaltaram uma adolescente que saia do colégio levaram seu celular, uma senhora que iria comprar pão levaram dinheiro e uma moça na parada de ônibus levaram sua bolsa. Sobre o arrombamento do meu carro, liguei para a Polícia, eles enviaram uma viatura e não puderam fazer nada. Pediram para fazer BO, fui até a delegacia e simplesmente estavam com as operações suspensas por causa de uma greve”, relatou informando que já foi assalta duas vezes na Rua Jephete Maia.

O morador João Silva, 42 anos, confirmou o relato da funcionária pública e disse que vive no bairro há 30 anos, que sempre considerou a Cohab do Bosque como um lugar seguro, bom de viver, mas que o aumento da violência tem provocado pânico e desespero nos moradores.

“Não tem hora. Pode ser de dia, de noite, qualquer hora tem assalto, tem arrombamento de casa. São pessoas de outros bairros que vem para cá e fazem a festa. Falta policiamento, a gente chama e depois de uma, duas horas, aparecem. Sabemos que o estado sofre com a insegurança, mais aqui ninguém aguenta mais. Todo mundo fica trancafiado em casa, até os lanches estão fechando por conta dos assaltos, ninguém anda na rua, parece que a gente vive na era do toque de recolher. É triste viver assim”, relatou João.