Integrantes de facção que mataram adolescente têm penas de prisão confirmadas no 2º Grau de jurisdição

Somadas, as sanções privativas de liberdade chegam a 88 anos de reclusão.

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) decidiu manter a condenação de dois réus pela prática, por duas vezes, do crime de homicídio qualificado (por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa das vítimas).

A decisão, publicada na edição nº 6.460 do Diário da Justiça Eletrônico (DJE), de relatoria do desembargador Pedro Ranzi, considerou, entre outras razões, que os apenados “ostentam (…) circunstâncias judiciais desfavoráveis”, impondo-se a rejeição do recurso.

Entenda o caso

Os réus foram condenados, pela 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco, a penas de 41 anos e 47 anos de prisão, em regime inicial fechado, após serem considerados culpados pelas mortes a tiros: de um adolescente, no Loteamento Rosalinda; bem como de um jovem também alvejado durante a ação criminosa, que veio a falecer somente no dia seguinte, no Hospital das Clínicas da Capital.

Ao apresentar recurso de apelação junto à Câmara Criminal do TJAC, a defesa dos apenados solicitou a revisão das penas, alegando, em síntese, que essas foram fixadas acima do chamado “mínimo legal”, consistindo, portanto, em tese, em sanção mais gravosa que a estabelecida em Lei.

Condenações mantidas

O relator do recurso, desembargador Pedro Ranzi, no entanto, votou pela rejeição dos pedidos, uma vez que os réus “ostentam (…) circunstâncias judiciais desfavoráveis, em comum”, sendo que um deles também possui maus antecedentes (reincidente).

Dessa forma, o relator considerou que “é possível que o magistrado fixe a pena-base acima do mínimo legal (…), desde que haja fundamentação idônea e bastante para tanto”, o que, em seu entendimento, foi observado pelo Juízo originário (aquele que julgou o caso).

Os demais desembargadores membros da Câmara Criminal do TJAC acompanharam, à unanimidade, o voto do relator, mantendo, assim, as condenações dos réus a penas que, somadas, chegam a 88 anos de prisão.

 

w

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.