Segurança oferece atendimento psicológico a servidores públicos e dependentes

Uma pesquisa divulgada no ano passado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontou que 15,6% dos servidores públicos que trabalham na área, já tiveram algum tipo de distúrbio psicológico detectado por conta do trabalho. Levando em consideração que o país tem um efetivo aproximados de 700 mil agentes da lei, aproximadamente 109 mil são afetados por ano.

Os problemas mais comuns tem relação com depressão, dependência química e síndrome do pânico. Quando o transtorno é considerado leve, os policiais são colocados em áreas administrativas e quando mais graves, são afastados de suas funções e direcionados a passar por tratamento.

No Acre, em 10 anos, mais de 20 mil já passaram por atendimento no Centro Integrado de Apoio Biopsicossocial (Ciab). Os índices deram um salto quando saiu de 1.972 atendimentos em 2013 para 3.492 em 2014, mantendo essa faixa de atendimentos nos anos posteriores.

O Ciab fica localizado no prédio da Secretaria de Polícia Civil e oferece atendimento não só aos profissionais da área da segurança (Polícia Militar, Bombeiro, Polícia Civil, Instituto de Administração Penitenciária e Sócio Educativo), mas como também aos pendentes de primeiro grau. No total, são 13 profissionais psicólogos, dois psiquiatras, dois clínicos gerais e um nutricionista dispostos a ajudar.

A coordenadora do Ciab, Analice Vieira, psicóloga  especialista em Trânsito e Gestão Pública, destaca a importância de procurar um atendimento psicológico e convida os servidores públicos e dependentes que precisem de orientação ou tratamento.

“A depressão é o problema mais comum entre os servidores e podemos tratar isso realizando tratamentos e fazendo o devido acompanhamento. Nós estamos à disposição de todos e o conselho, caso descubram que estão passando por algum tipo de problema psicológico, deve-se procurar o Centro imediatamente. Deixo aqui o nosso contato: 32237817”, finalizou a coordenadora do Centro.

 

Agência