Confirmada pena de réu que agrediu e manteve mulher em cárcere privado

Decisão considerou que sentença foi “justa e adequada” às circunstâncias concretas do caso

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) manteve, à unanimidade, a condenação de um homem a pena privativa de liberdade e pagamento de indenização por danos morais, pelas práticas dos crimes de lesão corporal e cárcere privado.

A decisão, que teve como relator o desembargador Samoel Evangelista, considerou que não há motivos para reforma da sentença proferida pela Vara de Proteção à Mulher da Comarca de Rio Branco, a qual deve ser mantida por seus próprios fundamentos.

Conforme a denúncia do Ministério Público, os crimes teriam sido praticados contra a ex-companheira do acusado – em contexto de violência doméstica, portanto – durante uma discussão motivada por ciúmes. A representação criminal narra que a vítima teria sido agredida na presença de outras pessoas durante uma festa e, posteriormente, mantida em cárcere privado na própria residência até a chegada de uma equipe da Polícia Militar.

A sentença do caso destaca que os crimes foram devidamente comprovados durante o julgamento do processo. Além disso, o seria réu reincidente em práticas delitivas. Ele foi condenado a uma pena de 2 anos e 11 meses de reclusão, bem como ao pagamento de indenização à vítima.

A defesa, por sua vez, apresentou recurso de apelação junto à Câmara Criminal do TJAC, requerendo a modificação da condenação do réu do crime de cárcere privado para o delito de constrangimento ilegal, o que, em tese, resultaria em uma pena mais branda. Alternativamente, foi requerida a substituição da pena privativa de liberdade por sanção restritiva de direitos.

O desembargador relator, no entanto, rejeitou as alegações, entendendo, assim, que as práticas de lesão corporal em contexto de violência doméstica e cárcere privado restaram comprovadas, tendo a sentença sido “justa e adequada” às circunstâncias do caso concreto.

“Há provas nos autos de que o réu privou a vítima da sua liberdade, razão pela qual não é possível dar nova definição jurídica para os fatos, para que (o denunciado) seja condenado pela prática do crime de constrangimento ilegal”, anotou o relator em seu voto.

O magistrado de 2º grau também assinalou que é “incabível a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, nos casos de crimes cometidos com violência ou grave ameaça à pessoa”, como restou demonstrado nos autos.

 

TJAC


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.