Empresário denuncia ação truculenta em abordagem da PM: ?Quebram o meu nariz e um dente?

Por Wanglézio Braga

“Mesmo algemado e sem esboçar reação, tive meu nariz e dente quebrado num chute”. O relato foi descrito pelo empresário, Saulo Chaves, sobre o momento de pavor que passou durante uma abordagem policial supostamente abusiva realizada ontem (11) pela Polícia Militar no bairro Adalberto Sena bem nas proximidades da URAP Roney Meirelles.

Segundo Saulo, tudo começou quando ao trafegar na sua motocicleta, policiais ordenaram que parasse o veículo. De prontidão, ele atendeu a ordem e mostrou a documentação solicitada. Enquanto respondia questionamentos, um policial verificou que a placa da motocicleta constava com restrição de roubo ou furto. Ao esclarecer que o veículo tinha sido resgatado, há meses, e que por questões burocráticas ainda constava no sistema do DETRAN, um agente deu voz de prisão e algemou o empresário.

“Eu expliquei a eles que a motocicleta tinha sido resgatada. Que os documentos estavam na mão deles, eu sou o dono, também estava com a habilitação em dias e o documento da moto. Não tinha nenhum problema criminal nisso tendo em vista que já tinha sido liberado em outras vezes até mesmo ao ser parado na estrada. A burocracia impediu que retirassem o status de furto da minha moto, no sistema do DETRAN. Mesmo assim, ao explicar a situação, um policial me agrediu. Fiquei de costas, algemado, ele deu um chute no meu rosto onde quebrou o meu nariz e um dente. Foi um momento de pavor, de humilhação”, relatou Chaves ao Portal O Rio Branco informando que tudo aconteceu na presença de seis policiais.

Saulo foi encaminhado para a Delegacia de Flagrantes onde prestou depoimento e foi liberado. Segundo ele, o delegado verificou que não havia motivos para a prisão e que os documentos comprovavam que seria o dono da motocicleta. Saulo disse ainda durante a ocorrência, os policiais ficaram incomodados porque seu sobrinho vinha atrás da motocicleta dirigindo um carro.

“Eles abordaram também o carro que meu sobrinho dirigia, pensavam que estava sendo assaltado. Viram os documentos, questionaram o motivo de transportar um quilo de guaraná em pó, a maca peruana, onde vendo pelos mercados da cidade”. Acrescentou.   

O empresário registrou um Boletim de Ocorrências (BO) na 5ª regional de polícia, compareceu em seguida no Instituto Médico Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito e formalizará uma denúncia no Ministério Público do Acre (MPAC) e na Corregedoria da Polícia Militar. “Não desejo isso a ninguém”, finalizou Chaves.

O OUTRO LADO

Portal O Rio Branco entrou em contato com a Polícia Militar através do Major Anaildon, do 5° Batalhão Regional da PMAC que cuida da parte alta da cidade de Rio Branco, onde informou que inicialmente desconhece o fato da agressão, mas confirma que houve abordagem e orientou o empresário a seguir os trâmites junto à corregedoria da PM. Ao ofertar a denúncia, uma investigação será realizada e os envolvidos serão chamados para prestar esclarecimentos. O major também disse que vai apurar o caso.