Governo e Defensoria Pública tentam trasladar corpo de criança assassinada no DF para o Acre

O Governo do Estado do Acre, por meio do aporte financeiro, e a Defensoria Pública do Estado, por meio de ação judicial, que será ajuizada nesta segunda-feira, 03, com apoio da Defensoria Pública do Distrito Federal, com pedido de liminar junto a Vara de Registros Públicos do DF, tentam conseguir autorização para transportar os restos mortais do menor R. M. S. C., de 9 anos de idade, assassinado e esquartejado pela mãe Rosana Auri da Silva Candido.

Rosana está presa na cidade de Samambaia, juntamente com sua companheira, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, que de acordo com a Polícia do Distrito Federal, a auxiliou durante o crime.

O governador do Estado do Acre, Gladson Cameli, e a primeira-dama do estado, Ana Paula Cameli, disseram neste domingo,  2, que o Acre, ao mesmo tempo em que se encontra perplexo, se solidariza com a família do menor, ressaltando eles que o Governo do Estado não medirá esforços para auxiliar os familiares no traslado do menor R. M. S. C. para o Acre.

O coordenador do núcleo da Cidadania da Defensoria Pública do Acre, Defensor Celso Araújo Rodrigues, é o responsável pelo contato direto com o Defensor Público do DF, Nicolau Rolim Jorge, que ingressará com o pedido de liminar nessa segunda-feira, 3. Eles aguardam a conclusão de um laudo de antropologia forense, exigido em casos de mortes violentas.

Como nesses casos a perícia é mais detalhada, a liberação dos restos mortais pode levar até uma semana. No entanto, Celso Araújo afirma que a Defensoria Pública do Estado do Acre e a do DF buscarão agilidade no processo para que a liberação ocorra o mais urgentemente possível.

O defensor Nicolau Rolim explicou, ainda, que somente após a conclusão do laudo de antropologia forense será possível obter a certidão de óbito e a guia de sepultamento exigidas para o enterro do menor.

O defensor acreano disse também que o Conselho Tutelar da cidade de Samambaia está em contato direto com a Defensoria Pública do Acre e com a família paterna do menor assassinado.

“Estamos desde ontem acompanhando este caso, com todo apoio do Governo do Estado, através da Casa Civil, que irá custear as despesas para o traslado dos restos mortais da criança, pois o nosso objetivo é agilizar o ingresso da liminar para que a família possa prestar as últimas homenagens à vítima”, frisou.

Durante toda manhã deste domingo a Defensoria do Acre esteve em contato com os familiares da criança e juntou os documentos necessários para dar prosseguimento às ações jurídicas de sua competência, inclusive a comprovação da guarda da criança por parte do pai.

A secretária de Estado de Assistência Social dos Direitos Humanos e Política para Mulheres, Claire Cameli, visitou a família paterna da criança na tarde deste domingo para oferecer apoio e fazer o acompanhamento necessário à família da criança por parte do Governo do Estado do Acre.

 

Agência