O Rio Branco

Hoje é 20 de Setembro de 2018

Policial

Idoso condenado por morte de criança em Epitaciolândia é localizado e preso

01 de Agosto de 2018 às 09:17:54

Um caso que comoveu a opinião pública do município de Epitaciolândia em 2013, quando uma criança foi localizada morta dentro de uma fossa, no bairro José Hassem, parece que chegou ao seu fim na tarde desta terça-feira, dia 31 de julho de 2018.

O principal acusado de ter matado a criança Thayne Souza Oliveira, na época, com 7 anos de vida, foi condenado a 12 anos de reclusão. Para a Justiça, o ancião Ernesto José da Silva (83), entendeu que o processo observou todos os ditames legais e que havia provas para a condenação, devendo a decisão do Júri prevalecer de forma soberana no ano de 2017.

Neste ano, em abril passado após a defesa conseguir um novo júri, a decisão foi mantida depois que o Ministério Público conseguir manter a condenação final depois de cinco anos da morte da criança. Seu Ernesto foi liberado até que seu mandado de prisão fosse liberado.

O mandado de prisão em desfavor do ancião foi emitido em maio passado, mas, devido não possuir endereço certo, o agora condenado, estava vivendo pela zona rural dos municípios da fronteira, até ser localizado e ser denunciado à delegacia de Brasiléia.

Ancião foi entregue na delegacia de Epitaciolândia, onde será dado os procedimentos de praxe até ser encaminhado ao presídio na Capital.

Seu Enresto foi localizado em uma colônia no ramal do Polo Wilson Pinheiro, com acesso no km 4 da BR 317, (Estrada do Pacífico), com mais 25km até a divisa com o município de Xapuri, quando recebeu a notícia que seria conduzido à delegacia e entregue ao judiciário e inicie o cumprimento de sua pena.

Para a mãe, Irene Gadelha Bezerra, aguardava ansiosa a prisão do ancião, uma vez que foi condenado e esperava que sua sentença fosse cumprida pela Justiça. “Estava preocupada e de certa forma com medo pelo fato dele estar solto por aí. Graças ao trabalho da polícia agora ele irá cumprir sua pena”, desabafou.

Na delegacia de Epitaciolândia após ser entregue pelos agentes de Brasiléia, Seu Ernesto ainda se diz inocente no caso e que agora somente acredita na justiça divina e que ainda, um dia, poderá provar sua inocência.

 

OALTOACRE




Compartilhar