O Rio Branco

Hoje é 24 de Abril de 2018

Mundo

Homem faz reféns em supermercado na França e mata três pessoas

23 de Março de 2018 às 09:48:30

 

PARIS — Forças de segurança realizaram uma operação em um supermercado nesta sexta-feira na cidade de Trèbes, no Sul da França, a 15 minutos de Carcassone. Informações prelimilares indicaram que pelo menos oito pessoas foram mantidas reféns na loja, mas a emissora "LCI TV" informou que 12 ficaram feridas na situação. Houve uma troca de tiros no local. Duas pessoas morreram no supermercado e uma terceira pessoa morreu antes, na cidade próxima Carcassonne, segundo Bruno Bartoccetti, do sindicato SGP-Police, citado pelo jornal "Le Figaro". O atirador, morto a tiros após cerca de três horas de tentativa de negociação, afirmou pertencer ao Estado Islâmico, segundo um promotor ouvido pela emissora "BFM TV".

Entre as vítimas, duas morreram no supermercado e a terceira morreu antes, em Carcassonne, afirmou a polícia. O corpo de um homem, que levou um tiro na cabeça, foi encontrado em Carcassonne, a 8,3 quilômetros de Trèbes.

De acordo com o prefeito de Trèbes, Eric Ménassi, duas pessoas foram baleadas no supermercado. Há cerca de outras 10 também feridas. Ele disse à emissora "LCI TV" que o atirador entrou no edifício gritando "Allahu Akbar" (Alá é grande), vou matar todos vocês". Anteriormente, à "BFM TV", Ménassi afirmou que o homem estava sozinho com um policial no supermercado e que os reféns foram liberados.

O suspeito se entrincheirou no Super U por volta das 11h (7h no horário de Brasília) e abriu fogo contra um policial da Companhia Republicana de Segurança (CRS), um departamento da Polícia Nacional francesa, de acordo com o jornal local "La Depeche". Além da arma, ele portava uma faca e granadas. Com base em informações prelimilares da investigação, o "La Depeche" informa que o açougueiro do supermercado foi morto.

De acordo com o jornal "L'indépendant", as autoridades descobriram que o atirador é de nacionalidade marroquina e tem 25 anos após analisarem a placa de seu veículo, que foi encontrado no estacionamento. Ele já era conhecido pelos serviços de inteligência por suas ligações com o islamismo radical. O autor do ataque pediu a liberação de Salah Abdeslam, suspeito dos ataques em Paris que deixaram 130 mortos, informou a "BFM TV".

As pessoas que conseguiram deixar o Super U quando o suspeito adentrou no local, estão recebendo atendimento psicológico. Os reféns deixaram o supermercado, segundo fontes próximas à investigação. Alguns deles chegaram a se esconder em refrigeradores do estabelecimento.

— Um homem gritou e disparou várias vezes. Vi a porta do refrigerador, pedi às pessoas para que viessem se esconder — contou uma testemunha identificada como Carole. — Éramos dez, e ficamos lá por uma hora. Houve mais tiros e saímos pela porta dos fundos.

Um dos agentes policiais se ofereceu voluntariamente em troca da libertação de uma mulher. Aos 45 anos, o policial atua no grupamento da guarda da região de Aube. Ele foi ferido durante a negociação.


A página no Facebook "La vie à Trèbes" publicou imagens que mostram a movimentação policial nas proximidades do supermercado.

ATAQUE ANTERIOR CONTRA POLICIAIS

Mais cedo, segundo o sindicato da polícia Unsa, um grupo da CRS estava voltando de uma corrida em Carcassonne, quando um homem dentro de um carro que seguia os agentes sacou uma arma e disparou cinco vezes. Um dos policiais ficou ferido no ombro. Ele está em condição estável, mas o tiro passou a 3 centímetros do coração, disse a associação. A polícia disse que o veículo foi encontrado no estacionamento do supermercado em Trèbes.

Além das 10 pessoas feridas na situação do supermercado, outra pessoa ficou ferida em arbustos perto do parque Aigles de la Cité, em Carcassonne. O autor dos tiros a policiais da Companhia Republicana de Segurança (CRS), disparou contra o motorista e o passageiro de um carro que ele supostamente queria roubar, antes de abandoná-los. As forças de segurança atuam tanto em Carcassonne, como em Trèbes.

INVESTIGAÇÃO ANTITERRORISTA

O departamento antiterrorista do Ministério Público de Paris assumiu uma investigação sobre o episódio. Para o primeiro ministro, Édouard Philippe, "tudo leva a crer que seja um ato terrorista". O presidente francês Emmanuel Macron retornou de viagem à Bruxelas.

Há uma equipe de 80 bombeiros e profissionais médicos no local. Três helicópteros foram mobilizados, além do pelotão de vigilância e intervenção da Guarda Nacional de Sabre.

A prefeitura do departamento de Aude, em Languedoc-Roussillon afirmou, no Twitter, que a região do supermercado foi interditada. O Ministério do Interior disse para cidadãos evitarem a região e esperar informações de segurança. O titular da pasta, Gérard Collombe, anunciou que partiu imediatamente ao local assim que fizesse uma videoconferência com as forças de segurança.

O presidente francês, Emmanuel Macron, frisou, em uma publicação no Twitter, que não faltará para os moradores de Trèbes a mobilização dos serviços do Estado.

"Asseguro aos habitantes de Trèbes a total solidariedade e mobilização dos serviços do Estado e suas forças da ordem", disse Macron.

 

Globo




Compartilhar