Protestos na Bolívia: Pontes na fronteira com o Acre seguem bloqueadas há três dias

Por Wanglézio Braga

Os protestos violentos contra o Presidente Evo Morales (MAS) continuam em toda a Bolívia e ao que parece vem ganhando mais força. Por conta disso, a rotina de quem vive na fronteira através de Cobija com o Acre, por meio das cidades de Brasileia e Epitaciolândia, mudou por completo. As duas pontes sobre o Rio Acre continuam bloqueadas para tráfego de veículos, estudantes de medicina estão com as aulas suspensas e o comércio já dá sinais de queda no movimento após três dias.

Na tranca, caminhões que deveriam seguir viagem estão estacionados na Avenida Internacional, em Epitaciolândia. A decisão dos manifestantes contrários a mais um mandato de Evo Morales é de não deixar cruzar a fronteira. O governo de Pando teme que alimentos, combustível possam ser racionados. Mas ontem (07), o movimento informou que estaria autorizada a passagem apenas de caminhão com gasolina e produtos perecíveis. Um princípio de confusão foi registrado quando um caminhoneiro tentou passar com materiais de construção.

Já no lado de Brasiléia, o “Paro” boliviano vem impactando diretamente a economia de Brasiléia. Os empresários estão amargando a falta de clientes por conta do comércio parado. Produtos e serviços visando a clientela do outro lado é o que dinamiza a economia. Setores como de supermercados, calçados e restaurantes são os mais prejudicados. É vital a presença de bolivianos nesses estabelecimentos.

Vale lembrar que apesar dos bloqueios para veículos, pedestres passam normalmente pelas pontes. No entanto, as autoridades não recomem o turismo em Cobija por conta dos constantes conflitos. Nessa semana, após radicais e militares entrarem em confronto, algumas pessoas foram feridas inclusive um jornalista que cobria mais um episódio.

Nas pontes, é possível ver a presença das Forças Armadas da Bolívia e os próprios manifestantes que improvisaram abrigos e fazem até comida no local. Nos lados do Brasil, a Polícia Militar e Civil aumentaram o efetivo para dar mais segurança aos acreanos. O Exército Brasileiro e a Polícia Federal quase não são vistos nessas regiões.  


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.