O Rio Branco

Hoje é 18 de Julho de 2018

Mundo

Ex-presidente sul-coreana é condenada por corrupção

06 de Abril de 2018 às 15:07:09

A ex-presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, foi condenada a 24 anos de prisão nesta sexta-feira (06/04) por seu envolvimento em um caso de corrupção que culminou com sua cassação em janeiro de 2017.

Ela foi considerada culpada em várias acusações de abuso de poder, coação e suborno, recebendo, além da pena de prisão, uma multa de 18 bilhões de wons (16,8 milhões de dólares).

A sentença, transmitida ao vivo pela televisão, considerou que a ex-presidente conservadora e sua amiga pessoal Choi Soon-sil, apelidada de "Rasputina" pela influência que exercia sobre Park Geun-hye, criaram uma vasta rede de favores através da qual extorquiam grandes empresas, como Samsung, Hyundai e Lotte.

Park e Choi são acusadas de pressionar 18 grupos de empresas a doar 77,4 bilhões de wons (72,3 milhões de dólares) para a criação de duas fundações controladas pela amiga da ex-presidente.

Ambas foram condenadas por receber propinas de algumas dessas companhias, incluindo mais de 7 bilhões de wons (6,5 milhões de dólares) da Samsung em troca do apoio do governo a uma transição suave de poder na empresa.

Park, de 66 anos, estava sob prisão preventiva desde março de 2017. Ela foi o primeiro chefe de Estado sul-coreano a sofrer impeachment durante o período democrático no país. Sua cassação levou à realização de eleições antecipadas em maio do ano passado, vencidas pelo liberal Moon Jae-in.

A promotoria havia pedido uma sentença de 30 anos de prisão e o pagamento de uma multa de 118,5 bilhões de wons (95 milhões de dólares).

"É inevitável que a ré deva ser responsabilizada pelos seus crimes, mesmo se apenas para evitar outros indesejáveis casos de abuso do poder concedido pelo povo", disse o principal juiz do caso, Kim Se-yun. Park e a promotoria têm uma semana para apelar da sentença.

Uma multidão de simpatizantes da ex-presidente se reuniu em frente ao tribunal, protestando contra a legitimidade do processo. Park, que não estava presente no julgamento, alega ter sido julgada imparcialmente, além de ser presa preventivamente sem motivo. Ela se diz vítima de vingança política e se recusou a comparecer às audiências no tribunal desde outubro do ano passado.

Esta foi a primeira vez que um veredito de um tribunal foi transmitido ao vivo pela televisão na Coreia do Sul. A Suprema Corte do país havia permitido a transmissão, caso os juízes considerassem se tratar de um caso de interesse público.

 

MSN




Compartilhar