Governo prepara acordo com forças de segurança pelo Acre livre de aftosa sem vacinação

O Governo do Estado, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), iniciou nesta sexta-feira, 29, um alinhamento com as forças estaduais e nacionais de segurança pública para intensificar o projeto de transformar o Acre em zona livre de aftosa sem vacinação.

Participaram do encontro representantes da Secretaria de Articulação Institucional do Acre,  Secretaria da Casa Civil, Polícia Militar, Exército Brasileiro, Polícia Rodoviária Federal e a Secretaria de Segurança Pública do Acre.

O principal objetivo com o alinhamento entre forças de segurança e o Governo do Estado é garantir as ações de defesa sanitária com a devida segurança nos postos de fiscalização de trânsito fixos e móveis nas estradas e rodovias federais e estaduais, o que faz parte das exigências contidas no Programa Nacional de Erradicação de Febre Aftosa.

“O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento quer que a gente tenha esse termo de cooperação com os entes de segurança para que haja esse suporte nas barreiras, nos nossos postos de fiscalização, e que a gente possa contar com a aeronave da Secretaria de Segurança caso haja uma suspeita da doença em algum lugar, dando uma resposta rápida e imediata”, conta Rogério Melo, presidente do Idaf.

O termo de cooperação deve ser concretizado em cerca de 20 dias, com vigência a partir de janeiro de 2020.

Vacinando seu gado há 20 anos ininterruptos com duas campanhas por ano, o Acre é reconhecido internacionalmente pela Organização Mundial da Saúde Animal como zona livre de aftosa com vacinação há 14 anos, em virtude dos resultados exitosos de suas políticas de defesa e inspeção animal. A expectativa é que a campanha iniciada no dia 1º de novembro e encerrada nesta sexta seja a última no estado.

O Acre possui cerca de 3,3 milhões de cabeças de gado, com um patrimônio pecuário avaliado em R$ 5 bilhões e que gera 75 mil postos de trabalho em toda a cadeia. O setor é o terceiro que mais movimenta economicamente o PIB do estado, com cerca de R$ 1 bilhão anualmente.

 

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.