Carretas com combustível chegam à Cobija para felicidade dos bolivianos e infelicidade dos empresários do Brasil

Por Wanglézio Braga

A escassez de combustível em Cobija, capital do Departamento de Pando (Bolívia), pode ter os seus dias contados. Na noite de ontem (28), pelo menos 12 carretas trazendo gasolina e diesel chegaram a Epitaciolândia e devem atravessar a fronteira no início da tarde de hoje (29). De acordo com o Governo Boliviano, são 10 tanques com diesel e dois contendo gasolina. Espera-se que outras seis carretas trazendo 35 mil litros de gasolina, cada uma, deve chegar ainda nas próximas horas via carreteira peruana.

Cobija vem sofrendo desabastecimento por conta dos bloqueios e protestos na cidade de El Alto, vizinha a La Paz. A troca de governo ainda repercute no país e tem trazido sérios transtornos administrativos bem como no dia a dia da população. Cobija é uma das cidades que depende do combustível vindo de La Paz. Uma rota alternativa, via Peru, foi criada para que gasolina, álcool e diesel, chegasse à Perla do Acre. Enquanto isso, os bolivianos recorriam aos postos de Epitaciolândia e Brasiléia, no Acre, que registraram aumento no consumo nos últimos dias. O lucro do lado de cá é certo.

À imprensa, o chefe de controle petrolíferos em Pando, Ariel Sotez Caballero, pediu paciência aos motoristas. Ele anunciou a chegada dos tanques e disse que tudo depende da alfândega do Brasil. No horário de Cobija, 13 horas, na estação de distribuição, ocorrem os primeiros abastecimentos de veículos do Governo, seguido de táxis e mototáxis. Carros de passeio ficam em último plano.

Caballero esclareceu ainda que o atraso na chegada do combustível ocorreu por conta dos bloqueios e que seis estações de distribuições tinham a comercialização regular de óleo diesel. No entanto, a maioria dos veículos dos moradores de Pando usam gasolina ou álcool.